Social Icons

twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemail

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Domingo da Divina Misericórdia


No dia 22 de fevereiro de 1931, Ir. Maria Faustina Kowalska, apóstola e mensageira da Misericórdia Divina, recebeu o seguinte pedido de Jesus: " Pinta uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em vós" (Diário, 47). Quero que essa Imagem (...) seja benta solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa, e esse Domingo deve ser a Festa da Misericórdia" (Diário, 49). O conteúdo desta Imagem está intimamente ligado à Liturgia do segundo Domingo da Páscoa. Com efeito, o Evangelho desse Domingo narra a aparição de Jesus ressuscitado no Cenáculo e a instituição do Sacramento da Reconciliação (cf. Jo 20, 19-29). Esta união está ainda sublinhada pela Novena, com o Terço da Misericórdia Divina, começando na Sexta-Feira Santa. A Imagem representa Jesus Ressuscitado trazendo a nós a paz pela remissão dos pecados, pelo preço da Sua Paixão e Morte na Cruz. Os raios do Sangue e da Água que brotam do Coração (invisível na Imagem), transpassado por uma lança, e as cicatrizes das chagas da crucifixão relembram os acontecimentos da Sexta-Feira Santa (Jo 19, 17-18. 33-37). A Imagem de Jesus Misericordioso une, então, estes dois acontecimentos evangélicos que mais plenamente falam sobre o amor de Deus para com o ser humano. Essa Imagem, além de apresentar a Misericórdia Divina, constitui também um sinal para recordar o dever cristão da confiança em Deus misericordioso e de um amor concreto ao próximo . Com providencial solicitude pastoral, acolhendo o desejo de fiéis do mundo inteiro de exaltar a Misericórdia Divina, e movido pela ternura do Pai das Misericórdias, o Santo Padre João Paulo II estabeleceu que no Missal Romano, depois do título "Segundo Domingo da Páscoa", fosse acrescentado "ou da Misericórdia Divina". O Santo Padre estabeleceu ainda que o Domingo da Misericórdia Divina seja enriquecido com a Indulgência plenária nas habituais condições (confissão sacramental, comunhão eucarística e orações segundo a intenção do Sumo Pontífice), concedendo ao fiel que, no segundo Domingo da Páscoa, ou seja, da "Misericórdia Divina", em qualquer igreja ou oratório, livre de todo pecado, também venial, participe nas práticas de piedade em honra da Misericórdia Divina, ou pelo menos recite, na presença do Santíssimo Sacramento da Eucaristia, publicamente exposto ou guardado no Tabernáculo, o Pai nosso e o Credo, juntamente com uma invocação piedosa ao Senhor Jesus Misericordioso (por exemplo: Ó Jesus Misericordioso, eu confio em vós". Concede-se a Indulgência parcial ao fiel que, pelo menos com o coração contrito, eleve ao Senhor Jesus Misericordioso uma das invocações piedosas lagitimamente aprovadas (Decreto "Misericors et miserator", 5 de maio de 2000). Doravante a celebração do "Domingo da Misericórdia Divina" terá a finalidade de inculcar no coração dos fiéis a confiança total na Misericórdia Divina. Também nós queremos divulgar a devoção ao Coração Misericordioso de Jesus e desenvolver uma "cultura da Misericórdia", para combater a mentalidade contemporânea que se opõe ao Deus da Misericórdia e que tende a separar da vida e a tirar do coração humano a própria idéia da misericórdia (cf. DM, 2). O mundo contemporâneo só encontrará a verdadeira paz e salvação, quando se deixar envolver pela misericórdia apresentada por Jesus na parábola do filho pródigo, e entender que o amor de Deus é capaz de debruçar-se sobre todos os filhos e filhas pródigos, sobre qualquer miséria humana e, especialmente, sobre toda miséria moral, sobre o pecado (cf. DM, 6). Cristo encarna e personifica a Misericórdia Divina, pois a Encarnação do Verbo não é somente obra da caridade de Deus (cf. Jo 3, 16), mas também revelação máxima da Misericórdia Divina feita pessoa (cf. DM, 2). O essencial do culto da Misericórdia de Deus consiste na atitude cristã de total confiança em Deus e no amor efetivo ao próximo. Mais do que muitas palavras devemos cultivar uma confiança inabalável em Deus misericordioso e tornar-nos cada vez mais misericordiosos e solidários, sobretudo para com os mais desprotegidos... Se o amor é a essência e a natureza de Deus, também nós, imagens tão semelhantes de Deus, somos chamados a nos tornar misericordiosos como o Pai é misericordioso (cf. Lc 6, 36). Por isso, a Misericórdia é a bem-aventurança do discípulo e discípula de Jesus: "Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia" (Mt 5, 7) Sinto em meu coração o desejo ardente de que a mensagem do amor misericordioso de Jesus, chegue a todas as Dioceses e Comunidades eclesiais de nosso Regional, enchendo os corações de esperança e de paz. Chegou a hora de transmitir ao mundo este fogo da misericórdia. Sejamos apóstolos e testemunhas ardorosas da Misericórdia Divina!


Dom Nelson Westrupp, scj

0 comentários:

Postar um comentário

 

Sample text

Sample Text