Social Icons

twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemail

quarta-feira, 31 de março de 2010

Reflexão da quarta-feira Santa


O Evangelho de Mateus nos relata a traição de Judas e o anúncio que Jesus faz de sua própria morte. O evangelista se serve da última ceia como cenário de seu relato.

Nos preparativos da Páscoa, enquanto os outros discípulos se preocupam com o local do jantar, Judas se encontra com os sumos sacerdotes para vender Jesus, o verdadeiro Cordeiro Pascal.
“Ao cair da tarde” todos estão reunidos no Cenáculo para a celebração pascal. Jesus anuncia que um deles o irá trair. Judas Iscariotes pergunta a Jesus se, por acaso, será ele, e o Mestre responde: “Tu o dizes”.

Esse “Tu o dizes”, que aparentemente pode ser interpretado como uma devolução da pergunta, também pode ser entendido como uma oportunidade dada por Jesus a Judas para que reflita sobre o que está fazendo, para que tome consciência. Judas, traindo o Mestre, realizará um ato livre, consciente e desejado por ele mesmo. Será um “não” à amizade do Senhor.
Reflitamos a ação de Jesus. Sabe que está sendo traído por um discípulo, que será negado por outro e abandonado pelos demais. Contudo, o Senhor se mantém fiel ao seu propósito de, livremente, dar sua vida em redenção de todos. Será um “sim” irrevogável ao Pai, apesar de toda a paixão que se avizinha.

Judas o trai com um gesto de amizade, um beijo! Inicia-se, a partir daí, o sacrifício redentor de Cristo. Celebremos com intensidade, nos próximos Dias Maiores do Tríduo Pascal, a Paixão e Morte do Senhor, para celebrarmos com alegria a sua Ressurreição.

fonte: Rádio Vaticano

terça-feira, 30 de março de 2010

Glorioso Sepulcro




Os habitantes da cidade de Gaza, acordando certa manhã, ficaram cheios de admiração. No dia antecedente haviam atraído Sansão para dentro dos muros, haviam trancado as portas, tinham posto guardas por toda parte, e depois, esfregando as mãos de contentamento, haviam-se escondido, dizendo: “Amanhã, ao raiar do dia, quando ele quiser ir-se embora, mata-lo-emos”. Ao invés disso, à meia-noite, Sansão acordando e querendo sair da cidade, quando se achou diante da porta fechada, tomou ambos os batentes com seus umbrais e com a tranca, arrancou-os do muro, lançou-os sobre os seus ombros possantes, e, correndo como se carregasse um cordeirinho, subiu a montanha que se erguia bem em frente, e chegou ao cimo antes que o sol nascesse (cf. Juízes XVI, 1-3).

Que outra coisa pode significar este fato da História Sagrada senão a ressurreição gloriosa de Nosso Senhor? E os cidadãos de Gaza não são, porventura, na perfídia, semelhantes aos judeus que se haviam alegrado por terem matado Jesus, de haverem lançado o seu corpo num sepulcro fechado e selado por uma pedra enorme, de terem chamado sentinelas para vigiarem as imediações? Porém Jesus é infinitamente maior e mais forte do que Sansão: Ele não somente arrancou as portas de uma cidade terrena, mas quebrou os batentes da morte e do inferno. Ouvi.

Era o domingo de madrugada. Em Jerusalém, ainda sepulta no sono, todos dormiam: e eis que algumas mulheres caminham silenciosamente, levando sob os mantos vasos cheios de perfume. Quando o sol, superada a linha das colinas, derramou a sua luz até no fundo dos vales, elas já se achavam no jardim de José de Arimatéia.

“Quem nos removerá a pedra da boca do sepulcro?”, murmuravam elas entre si. Mas a pedra, já removida, jazia alvejante e larga por entre o verde da erva tenra.

Assustadas, penetraram no túmulo: estava invadido pela luz. Sentado à direita, envolto numa túnica branca, um anjo esperava-as: “Não temais! Se buscais a Jesus Nazareno, não está aqui: ressuscitou. Ide, e dizei-o a Pedro, dizei-o aos discípulos!”

Felizes mulheres; a elas foi confiado anunciarem ao universo a ressurreição. “E era justo”, diz Santo Ambrósio; “assim como no princípio do mundo a ruína começou pela mulher, assim também agora a salvação devia ser primeiramente anunciada pela mulher: a primeira no mal, a segunda no bem”.

Mas feliz também o sepulcro! as mulheres para ali se haviam dirigido a fim de chorarem um Morto, a fim de perfumarem as carnes dilaceradas de um Crucificado, mas enganaram-se. Em vez da morte acharam a Ressurreição, em vez de um cadáver acharam um anjo, em vez de pranto acharam a alegria maior.

A visão do profeta cumpriu-se. Et erit sepulchrum ejus gloriosum: “e o seu sepulcro será glorioso” (Is XI, 10): glorioso pela fé, pela esperança e pelo amor que dele jorra nos séculos inexaurivelmente.

Há em Roma uma “via” famosa pelas suas ilustres sepulturas: de um lado e doutro das suas margens erguem-se ainda os túmulos dos cônsules e dos imperadores. Pois bem: que foi que esses túmulos produziram até agora? Que força emana daqueles soberbos mausoléus que os viajores ainda olham com olhos maravilhados? E que podem eles fazer senão proclamar, alto e sempre, a miséria e a vaidade de toda grandeza humana?

Não assim o sepulcro de Jesus ressuscitado: desde a hora em que as piedosas mulheres ouviram nele o anúncio da Ressurreição, toda alma que vem ao mundo olha para lá, a fim de acender a chama sobrenatural da sua fé, da sua esperança, do seu amor.

segunda-feira, 29 de março de 2010

A Semana Santa: símbolos e significado


A Igreja propõe aos cristãos os sagrados mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus, tornado Homem, para no martírio da Cruz e na vitória sobre a morte, oferecer a todos os homens a graça da salvação.

Domingo de Ramos

O Domingo de Ramos dá início à Semana Santa e lembra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, aclamado pelos judeus.A Igreja recorda os louvores da multidão cobrindo os caminhos para a passagem de Jesus, com ramos e matos proclamando: “Hosana ao Filho de Davi. Bendito o que vem em nome do Senhor”. (Lc 19, 38; Mt 21, 9). Com esse gesto, portando ramos durante a procissão, os cristãos de hoje manifestam sua fé em Jesus como Rei e Senhor.

Quinta-feira Santa

Celebramos a Instituição do Sacramento da Eucaristia. Jesus, desejoso de deixar aos homens um sinal da sua presença antes de morrer, instituiu a eucaristia. Na Quinta-feira Santa, destacamos dois grandes acontecimentos:

Bênção dos Santos Óleos

Não se sabe com precisão, como e quando teve início a bênção conjunta dos três óleos litúrgicos. Fora de Roma, esta bênção acontecia em outros dias, como no Domingo de Ramos ou no Sábado de Aleluia. O motivo de se fixar tal celebração na Quinta-feira Santa deve-se ao fato de ser este último dia em que se celebra a missa antes da Vigília Pascal. São abençoados os seguintes óleos:

Óleo do Crisma - Uma mistura de óleo e bálsamo, significando a plenitude do Espírito Santo, revelando que o cristão deve irradiar “o bom perfume de Cristo”. É usado no sacramento da Confirmação (Crisma), quando o cristão é confirmado na graça e no dom do Espírito Santo, para viver como adulto na fé. Este óleo é usado também no sacramento para ungir os “escolhidos” que irão trabalhar no anúncio da Palavra de Deus, conduzindo o povo e santificando-o no ministério dos sacramentos. A cor que representa esse óleo é o branco ouro.

Óleo dos Catecúmenos - Catecúmenos são os que se preparam para receber o Batismo, sejam adultos ou crianças, antes do rito da água. Este óleo significa a libertação do mal, a força de Deus que penetra no catecúmeno, o liberta e prepara para o nascimento pela água e pelo Espírito. Sua cor é vermelha.

Óleo dos Enfermos - É usado no sacramento dos enfermos, conhecido erroneamente como “extrema unção”. Este óleo significa a força do Espírito de Deus para a provação da doença, para o fortalecimento da pessoa para enfrentar a dor e, inclusive a morte, se for vontade de Deus. Sua cor é roxa.

Instituição da Eucaristia e Cerimônia do Lava-pés

Com a Missa da Ceia do Senhor, celebrada na tarde de quinta-feira, a Igreja dá início ao chamado Tríduo Pascal e comemora a Última Ceia, na qual Jesus Cristo, na noite em que vai ser entregue, ofereceu a Deus Pai o seu Corpo e Sangue sob as espécies do Pão e do Vinho, e os entregou para os Apóstolos para que os tomassem, mandando-lhes também oferecer aos seus sucessores. Nesta missa faz-se, portanto, a memória da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio. Durante a missa ocorre a cerimônia do Lava-Pés que lembra o gesto de Jesus na Última Ceia, quando lavou os pés dos seus apóstolos.O sermão desta missa é conhecido como sermão do Mandato ou do Novo Mandamento e fala sobre a caridade ensinada e recomendada por Jesus Cristo. No final da Missa, faz-se a chamada Procissão do Translado do Santíssimo Sacramento ao altar-mor da igreja para uma capela, onde se tem o costume de fazer a adoração do Santíssimo durante toda a noite.

Sexta-feira Santa

Celebra-se a paixão e morte de Jesus Cristo. O silêncio, o jejum e a oração devem marcar este dia que, ao contrário do que muitos pensam, não deve ser vivido em clima de luto, mas de profundo respeito diante da morte do Senhor que, morrendo, foi vitorioso e trouxe a salvação para todos, ressurgindo para a vida eterna. Às 15 horas, horário em que Jesus foi morto, é celebrada a principal cerimônia do dia: a Paixão do Senhor. Ela consta de três partes: liturgia da Palavra, adoração da cruz e comunhão eucarística. Depois deste momento não há mais comunhão eucarística até que seja realizada a celebração da Páscoa, no Sábado Santo.

Sábado Santo

No Sábado Santo ou Sábado de Aleluia, a principal celebração é a “Vigília Pascal”.

Vigília Pascal

Inicia-se na noite do Sábado Santo em memória da noite santa da ressurreição gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo. É a chamada “a mãe de todas as santas vigílias”, porque a Igreja mantém-se de vigília à espera da vitória do Senhor sobre a morte. Cinco elementos compõem a liturgia da Vigília Pascal: a bênção do fogo novo e do círio pascal; a proclamação da Páscoa, que é um canto de júbilo anunciando a Ressurreição do Senhor; a liturgia da Palavra, que é uma série de leituras sobre a história da Salvação; a renovação das promessas do Batismo e, por fim, a liturgia eucarística.

Domingo de Páscoa

A palavra “páscoa” vem do hebreu “Peseach” e significa “passagem”. Era vivamente comemorada pelos judeus do Antigo Testamento. A Páscoa que eles comemoram é a passagem do mar Vermelho, que ocorreu muitos anos antes de Cristo, quando Moisés conduziu o povo hebreu para fora do Egito, onde era escravo. Chegando às margens do Mar Vermelho, os judeus, perseguidos pelos exércitos do faraó teriam de atravessá-lo às pressas. Guiado por Deus, Moisés levantou seu bastão e as ondas se abriram, formando duas paredes de água, que ladeavam um corredor enxuto, por onde o povo passou. Jesus também festejava a Páscoa. Foi o que Ele fez ao cear com seus discípulos. Condenado à morte na cruz e sepultado, ressuscitou três dias após, num domingo, logo depois da Páscoa judaica. A ressurreição de Jesus Cristo é o ponto central e mais importante da fé cristã. Através da sua ressurreição, Jesus prova que a morte não é o fim e que Ele é verdadeiramente o Filho de Deus. O temor dos discípulos em razão da morte de Jesus, na Sexta-Feira, transforma-se em esperança e júbilo. É a partir deste momento que eles adquirem força para continuar anunciando a mensagem do Senhor. São celebradas missas festivas durante todo o domingo.

A data da Páscoa

A fixação das festas móveis decorre do cálculo que estabelece o Domingo da Páscoa de cada ano. A Páscoa deve ser celebrada no primeiro domingo após a primeira lua cheia que segue o equinócio da primavera, no Hemisfério Norte (21 de março). Se esse dia ocorrer depois do dia 21 de abril, a Páscoa será celebrada no domingo anterior. Se, porém, a lua cheia acontecer no dia 21 de março, sendo domingo, será celebrada dia 25 de abril. A Páscoa não acontecerá nem antes de 22 de março, nem depois de 25 de abril. Conhecendo-se a data da Páscoa, conheceremos a das outras festas móveis. Domingo de Carnaval - 49 dias antes da Páscoa. Quarta-feira de Cinzas - 46 dias antes da Páscoa. Domingo de Ramos - 7 dias antes da Páscoa. Domingo do Espírito Santo - 49 dias depois.Corpus Christi - 60 dias depois.

Símbolos da Páscoa

Cordeiro: O cordeiro era sacrificado no templo, no primeiro dia da páscoa, como memorial da libertação do Egito, na qual o sangue do cordeiro foi o sinal que livrou os seus primogênitos. Este cordeiro era degolado no templo. Os sacerdotes derramavam seu sangue junto ao altar e a carne era comida na ceia pascal. Aquele cordeiro prefigurava a Cristo, ao qual Paulo chama “nossa páscoa” (1Cor 5, 7).
João Batista, quando está junto ao Rio Jordão em companhia de alguns discípulos e vê Jesus passando, aponta-o em dois dias consecutivos dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jô 1, 29 e 36).Isaías o tinha visto também como cordeiro sacrificado por nossos pecados ( Is 53, 7-12). Também o Apocalipse apresenta Cristo como cordeiro sacrificado, agora vivo e glorioso no céu. ( Ap 5,6.12; 13, 8).

Pão e vinho: Na ceia do Senhor, Jesus escolheu o pão e o vinho para dar vazão ao seu amor. Representando o seu corpo e sangue, eles são dados aos seus discípulos para celebrar a vida eterna.

Cruz: A cruz mistifica todo o significado da Páscoa na ressurreição e também no sofrimento de Cristo. No Conselho de Nicéia, em 325 d.C., Constantino decretou a cruz como símbolo oficial do cristianismo. Símbolo da Páscoa, mas símbolo primordial da fé católica.

Círio Pascal: É uma grande vela que é acesa no fogo novo, no Sábado Santo, logo no início da celebração da Vigília Pascal. Assim como o fogo destrói as trevas, a luz que é Jesus Cristo afugenta toda a treva do erro, da morte, do pecado. É o símbolo de Jesus ressuscitado, a luz dos povos. Após a bênção do fogo acende-se, nele, o Círio. Faz-se a inscrição dos algarismos do ano em curso; depois cravam-se cinco grãos de incenso que lembram as cinco chagas de Jesus, e as letras “alfa” e “ômega”, primeira e última letra do alfabeto grego, que significam o princípio e o fim de todas as coisas.

fonte: comunidadeshalom.com.br

Pregador do Papa: “Se voltares a mim...”

Terceira pregação do padre Cantalamessa para a Quaresma 2010

1. A crise do sacerdote
Na Escritura encontramos a descrição da crise interior de sacerdote, na qual muitos pastores de hoje, tenho certeza, se reconhecerão. É aquela de Jeremias, que, antes de se tornar um profeta, foi sacerdote, “um dos sacerdotes de Anatot” (Jer 1,1).
“Sim, Senhor, juro que sempre te servi em vista do bem, que nas horas de sofrimento e nos momentos de angústia, sempre intercedi por quem me odeia... Não me sento na roda dos gozadores, sigo em frente. Consciente da tua mão eu me assento, solitário, pois tu me encheste da tua indignação. Por que minha dor se fez permanente e minha ferida, incurável, sem remédio? Tu bem me pareces um córrego falso, água de mentira.” Em outro trecho, a crise irrompe de maneira ainda mais aberta: “Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir! Foste mais forte do que eu e me subjugaste!... Pensei: “Nunca mais hei de lembrá-lo, não falo mais em seu nome!” (Jer 20, 7-9).
Qual é a resposta de Deus ao profeta em crise? Não é um “pobrezinho, tens razão, como és infeliz!”. “Por isso, assim me respondeu o Senhor: “Se tu te converteres, eu te converterei, e na minha presença ficarás. E se souberes separar o que tem valor daquilo que não presta, serás a minha boca” (Ger 15, 19). Em outras palavras: conversão!
Falando da novidade do ministério da nova aliança, vimos que esta consiste na graça, isto é, no fato de que o dom precede o dever, e que o dever advém precisamente do dom. Apliquemos, portanto, este princípio fundamental ao ministério sacerdotal. Aquilo que até então consideramos constitutivo da graça sacerdotal, o dom recebido: ministros de Cristo, dispensadores dos mistérios de Deus. Não podemos concluir nossas reflexões sem esclarecer o dever e o apelo que advém deste dom, por assim dizer, a ex opere operantis do sacerdócio. Tal apelo é o mesmo daquele feito por Deus a Jeremias: conversão!
Acredito interpretar as preocupações expressas em diversas ocasiões pelo Santo Padre, e que motivaram, ao menos em parte, a proclamação deste ano sacerdotal, dedicando esta última meditação à necessidade de uma purificação no interior da Igreja, a começar pelo clero.
O apelo à conversão ressoa nos momentos cruciais do Novo Testamento: no início da pregação de Jesus: “Convertei-vos e crede na Boa Nova” (Mc 1,15); no início da pregação apostóloca, o dia de Pentecostes: “ficaram com o coração compungido e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos: “Irmãos, que devemos fazer? E Pedro respondeu: “Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo!” (At 2, 37).
Mas não são estes os contextos que dizem respeito mais diretamente a nós sacerdotes. Nós acreditamos no Evangelho, fomos batizados e recebemos o Espírito Santo. Há um outro “convertei-vos” que nos diz respeito de perto, aquele que ressoa no interior de cada uma das sete cartas às igrejas do Apocalipse. Esse não é direcionado aos não crentes ou aos neófitos, mas às pessoas que vivem há tempo na comunidade cristã.
Um dado torna estas cartas particularmente significativas para nós: foram dirigidas ao pastor e ao responsável por cada uma destas sete igrejas. “Ao anjo da igreja de Éfeso escreva”: não se explica o título anjo a não ser que este se refira, de modo direto ou indireto, ao pastor da comunidade. Não se pode pensar que o Espírito Santo atribua a anjos reais a responsabilidade pelas culpas e pelos desvios ocorridos nas diversas igrejas, e que o convite à conversão seja a eles dirigido.
2. “Seja fiel até o final”
Retomemos a leitura de algumas destas cartas, buscando nelas colher os elementos de uma autêntica conversão do clero, diáconos, sacerdotes e bispos. Comecemos com a primeira carta, aquela endereçada à igreja de Éfeso. Notemos uma coisa primeiramente. O Ressuscitado não inicia seu discurso falando sobre o que não vai bem na comunidade. Esta carta, como quase todas as demais, começa por destacar os aspectos positivos, o bem que se faz na igreja: “Conheço a tua conduta, o teu esforço e a tua constância; és perseverante. Sofreste por causa do meu nome e não desanimaste” (Ap 2, 2). Somente neste ponto intervém o apelo à conversão: “Mas tenho contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te de onde caíste! Converte-te (metanoeson) e volta à tua prática inicial”.
O apelo à conversão assume a conotação de um retorno ao primitivo fervor e amor por Cristo. Quem de nós, sacerdotes, não lembra com comoção do momento em que tomamos consciência de estarmos sendo chamados por Deus para servi-lo, o momento da profissão para os religiosos, o entusiasmo dos primeiros anos de ministério como sacerdotes? É verdade que há também o fator da idade, a juventude. Mas neste caso, não se trata da natureza: o que foi graça no passado pode ser graça ainda hoje.
“Quero exortar-te”, escrevia o apóstolo ao discípulo Timóteo, “a reavivar o carisma que Deus te concedeu pela imposição de minhas mãos” (2 Tim 1,6). O termo grego que aqui foi traduzido como “reavivar” sugere a ideia de assoprar sobre brasas para que voltem a arder, reacender a chama. Em uma das meditações do Advento, vimos como a unção sacramental, recebida na ordenação, pode voltar à atividade mediante a oração e um sobressalto de fé. Também o autor da carta aos Hebreus chamava os primeiros cristãos a resgatarem seu entusiasmo inicial: “Sê fiel até à morte, e eu te darei a coroa da vida”.
Da carta à Igreja de Éfeso tomamos portanto o convite urgente a um reencontro do amor e do fervor de um tempo. Um outro componente da conversão sacerdotal podemos encontrar na carta à igreja de Esmirna. Também aqui o Ressuscitado começa destacando o que é positivo: “Conheço sua tribulação, sua pobreza...”, mas segue de imediato o apelo: “Sê fiel até à morte, e eu te darei a coroa da vida”.
Fidelidade! O Santo Padre usou esta palavra como título e programa do ano sacerdotal: “Fidelidade de Cristo, fidelidade de sacerdote”. A palavra fidelidade tem dois significados fundamentais. O primeiro é o de constância e perseverança; o segundo é o de lealdade, retidão, o oposto, em suma, de infidelidade, perfídia e traição. O primeiro significado é aquele presente nas palavras do Ressuscitado dirigidas à igreja de Esmirna; o segundo é aquele que consta nas palavras de Paulo que escolhemos para guiar nossas reflexões: “Que as pessoas nos considerem como ministros de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. Ora, o que se exige dos administradores é que cada um se mostre fiel” (1 Cor 4, 1-2). Estas palavras remetem, talvez propositalmente, àquelas de Jesus no Evangelho de Lucas: “Quem é o administrador fiel e atento, que o senhor encarregará de dar à criadagem a ração de trigo na hora certa?” (Lc 12, 42). O contrário desta fidelidade está naquilo que faz, na parábola, o administrador infiel (Lc 16, 1 ss.).
A esta fidelidade se opõe a traição da confiança depositada por Cristo e pela Igreja, a vida dupla, o pouco caso para com os deveres de sua condição, especialmente no que se refere ao celibato e à castidade. Sabemos por dolorosa experiência quanto dano pode ser provocado à Igreja e às almas com este tipo de infidelidade. Esta talvez seja a mais dura provação enfrentada pela Igreja neste momento.
3. "À igreja de Laodicéia escreve..."
A carta que deve nos fazer refletir, mais do que todas as outras, é aquela ao anjo da igreja de Laodicéia. Conhecemos seu tom severo: “Conheço a tua conduta. Não és frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente... Mas, porque és morno, nem frio nem quente, estou para vomitar-te de minha boca... Esforça-te, pois, e converte-te” (Ap 3, 15 s).
A tepidez de uma parte do clero, a falta de zelo e a inércia apostólica: creio sejam estes os principais fatores que enfraquecem a Igreja, ainda mais que os escândalos ocasionais de alguns sacerdotes, que chamam mais atenção e são mais fáceis de reparar. “A grande desventura para nós párocos – dizia Santo Cura d'Ars – "é quando a alma se entorpece” [1]. Ele certamente não se incluía entre estes párocos, mas esta sua frase nos faz pensar.
Não se deve generalizar (a Igreja é rica de sacerdotes santos que cumprem silenciosamente seu dever), mas igualmente não podemos nos calar. Um leigo comprometido me disse certa vez com tristeza: “A população de nosso país, nos últimos anos, cresceu em mais de 3 milhões de habitantes, mas nós, católicos, estacionamos no número de antes. Algo não vai bem em nossa Igreja”. E, conhecendo aquele clero, eu sabia o que não ia bem: a preocupação de muitos deles não eram as almas, mas o dinheiro e o conforto.
Há lugares onde a Igreja permanece viva e evangeliza quase que unicamente pelo empenho de alguns fiéis leigos e organizações leigas, que por sua vez são vistos com desconfiança. São eles que com frequência motivam os sacerdotes, pagando suas despesas, a participarem de um retiro ou de exercícios espirituais, algo que não fariam por iniciativa própria jamais.
Por vezes, são justamente aqueles que menos fazem pelo Reino de Deus que mais reclamam suas vantagens. São Pedro e São Paulo sentiram ambos a necessidade de alertar contra a tentação de se comportar como amos da fé: “sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós... não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas antes, como modelos do rebanho” (cf. 1 Pt 5,3), escreve o primeiro. “Não temos a pretensão de dominar a vossa fé; mas o que queremos é colaborar para a vossa alegria”, escreve o segundo (2 Cor 1, 24).
Comportam-se como donos da fé, por exemplo, quando se consideram todos os espaços da paróquia como sua propriedade, cedidos a quem se quer, ao invés de bens pertencentes a toda comunidade, dos quais se tem a custódia, não a propriedade. Estando a pregar em um país europeu que já foi no passado celeiro de sacerdotes e missionários e que agora atravessa uma crise profunda, perguntei a um sacerdote local qual seria, a seu ver, a causa disso. “Neste país, respondeu-me, os sacerdotes, do púlpito e desde o confessionário, decidiam tudo, até quem alguém deveria desposar e quantos filhos deveria ter. Quando se difundiu na sociedade o sentimento e a exigência por liberdade individual, as pessoas se rebeleram e deram as costas à Igreja”. O clero se sentia "dono da fé", ao invés de colaborador da alegria das pessoas.
As palavras dirigidas pelo Ressuscitado à Igreja de Laodicéia: “Tu dizes: ‘Sou rico e abastado e não careço de nada’, em vez de reconhecer que és infeliz, miserável, pobre, cego e nu”, fazem pensar em uma outra tentação para o clero quando a paixão pelas almas é colocada em segundo plano: a cobiça de dinheiro. São Paulo já lamentava amargamente: "Omnia quae sua sunt quaerunt, non quae Jesu Christi": todos buscam o próprio interesse, não aquele de Cristo (Fil 2, 21). Dentre as recomendações mais insistentes aos anciãos, nas Cartas pastorais, está a de não ser cobiçoso (1 Tim 3, 3). Na carta de promulgação do ano sacerdotal, o Santo Padre apresenta o Santo Cura d'Ars como modelo de pobreza sacerdotal. “Ele era rico para doar aos outros e muito pobre para si mesmo”. Seu segredo era: “dar tudo e não reter nada”.
Em seu longo discurso sobre os pastores [2], Santo Agostinho propunha aos de seu tempo, como um exercício salutar de consciência, a apóstrofe de Ezequiel contra os pastores negligentes. Não seria inadequado lembrá-la, ao menos para sabermos o que deve ser evitado no ministério sacerdotal: “Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Acaso os pastores não devem apascentar as ovelhas? Comeis de seu leite, vestis sua lã e matais os animais gordos, mas não apascentais as ovelhas. Não fortalecestes a ovelha fraca, não curastes a ovelha doente nem enfaixastes a ovelha quebrada. Não trouxestes de volta a ovelha desgarrada, não procurastes a ovelha perdida, mas as dominastes com dureza e brutalidade” (Ez 34, 2-4).
4. “Eis que estou à porta e bato”
Mas também a severa Carta à igreja de Laodicéia é, como todas as outras, uma carta de amor. Esta termina com uma das imagens mais tocantes de toda a Bíblia: “Eu repreendo e educo os que eu amo... Eis que estou à porta e bato”.
Em nós, sacerdotes, Cristo não bate para entrar, e sim para sair. Quando se trata da primeira conversão, da incredulidade frente à fé, ou da condição de pecado ante a graça, Cristo está fora e bate às portas do coração para entrar; quando se trata de sucessivas conversões, de um estado de graça em direção a outro mais elevado, da tepidez ao fervor, ocorre o contrário: Cristo está dentro e bate às portas do coração para sair!
Explico em que sentido. No batismo, recebemos o Espírito de Cristo; este permanece em nós como seu templo (1 Cor 3,16), se não for expulso pelo pecado mortal. Mas pode ocorrer que este Espírito acabe por se tornar com que um prisioneiro de um coração de pedra que se forma ao seu redor. Não tem possibilidade de se expandir, permeando as faculdades, as ações e os sentimentos dessa pessoa. Quando lemos a frase de Cristo “Eis que estou à porta e bato” (Ap 3, 20), devemos entender que ele não bate do lado de fora, mas de dentro; não quer entrar, mas sair.
O Apóstolo diz que Cristo deve ser “formado” em nós (Gal 4, 19), isto é, desenvolver-se e receber sua forma plena; é este desenvolvimento que é bloqueado pela tepidez e pelo coração de pedra. Por vezes, se vê ao lado das estradas grandes árvores, cujas raízes, aprisionadas pelo asfalto, lutam para se expandir, erguendo partes do pavimento. Assim devemos imaginar o Reino de Deus no coração do homem; uma semente destinada a se tornar uma árvore majestosa, sobre a qual pousam os pássaros do céu, mas que tem dificuldade de se desenvolver quando é sufocada pelas preocupações terrenas.
Ocorrem, obviamente, diferentes graus desta situação. Na maioria das almas empenhadas em um caminho espiritual, Cristo não se encontra aprisionado dentro de uma couraça, mas talvez, por assim dizer, em uma ‘liberdade vigiada’. É livre para mover-se, mas dentro de limites bem precisos. Isto ocorre quando tacitamente se faz compreender aquilo que pode nos pedir e aquilo que não pode nos pedir. Orações sim, mas não a ponto comprometer o sono, o repouso a informação sadia...; obediência sim, mas que não abuse de nossa disponibilidade; castidade sim, mas não ponto de nos privar de qualquer espetáculo descontraído... em suma, o uso de meias medidas.
Na história da santidade, o exemplo mais famoso da primeira conversão, aquela de um estado de pecado ao da graça, é o de Santo Agostinho; o exemplo mais instrutivo da segunda conversão, a da tepidez ao fervor, é o de Santa Teresa d'Avila. Aquilo que ela diz sobre si mesma na Vida é provavelmente exagerado e ditado pela delicadeza de sua consciência, mas pode servir a todos nós para um útil exame de consciência. “De passatempo a passatempo, de vaidade a vaidade, de ocasião a ocasião, comecei a colocar minha alma novamente em perigo [...]. As coisas de Deus me davam prazer, mas não sabia me desvincular daquelas do mundo. Queria conciliar estes dois inimigos, tão contraditórios entre si: a vida do espírito com os sabores e passatempos dos sentidos”.
O resultado dessa condição era uma profunda infelicidade: “Caía e me reerguia, e mal me reerguia voltava a cair. Era tão baixa em termos de perfeição que quase não me dava conta dos pecados venais, e não temia os mortais como deveria, porque não evitava os perigos. Posso dizer que a minha vida era das mais penosas que se poderia imaginar, porque não gozava de Deus, nem me sentia satisfeita com o mundo. Quando me dedicava aos passatempos mundanos, o pensamento acerca daquilo que devia a Deus me fazia transcorrer com pesar; e quando estava com Deus, os afetos do mundo me perturbavam” [3]. Muitos sacerdotes poderiam descobrir nesta análise a razão profunda de sua insatisfação e descontentamento.
Foi a contemplação do Cristo da paixão que deu a Teresa o impulso decisivo que fez dela a santa e mística que conhecemos [4].
5. “Quero esperar!”
Voltemos, para encerrar, à resposta de Deus aos lamentos de Jeremias. Deus faz a seu profeta convertido promessas que adquirem um significado muito particular quando lidas como se fossem dirigidas a nós, sacerdotes da Igreja Católica, no momento atual de desconforto que atravessamos: “Se souberes separar o que tem valor daquilo que não presta”, isto é, se souberes distinguir aquilo que é essencial daquilo que é secundário em tua vida, se preferires minha aprovação ao invés da dos homens; “tu serás como a minha boca”. “Eles passarão para o teu lado e tu não passarás para o lado deles”: será o mundo que buscará teu favor, não tu ao do mundo. “Farei que sejas um muro forte, de bronze (estes dizeres dirigem-se agora ao Santo Padre); vão guerrear contra ti, mas não te vencerão, pois contigo eu estarei para te salvar e livrar” (Jer 15, 19-20).
O que precisamos neste momento é de um impulso de esperança; devemos voltar a ler a encíclica “Spe salvi sumus”, de nosso Santo Padre. A Escritura nos apresenta diversos exemplos de impulsos de esperança, mas um me parece particularmente instrutivo e apropriado para a situação atual: a Terceira Lamentação de Jeremias. Começa num tom desconsolado: “Alguém eu sou que viu a miséria, sob a vara de sua ira. A mim ele levou e fez andar nas trevas, não na luz... Tornei-me escárnio do meu povo, objeto constante de suas canções. Falei: “Terminou meu prestígio, desiludi-me do Senhor!” (Lam III, 1-18).
Mas neste ponto, é como se o profeta fizesse uma reavaliação repentina; diz a si mesmo: “É graças ao Senhor que não fomos aniquilados, porque não se esgotou sua piedade. Há bondade no SENHOR, sem fim, misericórdia que não acaba! Cada manhã ele se manifesta e grande é sua fidelidade. Disse-me a alma: o Senhor é minha partilha, e assim nele confio.”
E a partir do momento que toma a decisão - “Quero esperar”, o tom se altera, e da triste lamentação, converte-se em confiante espera de restauração: “O Senhor é bom para quem nele confia, para a alma que o procura. Bom é esperar em silêncio o socorro do Senhor. Estenda a face a quem o fere, e se farte de opróbrios! Porque o Senhor não repele para sempre. Após haver afligido, ele tem piedade, porque é grande sua misericórdia. Não lhe alegra o coração humilhar e afligir os homens” (Lam III, 22-33).
Estava a pregar em um retiro para o clero de uma diocese americana, abalada pela reação indiscriminada da opinião pública diante dos escândalos cometidos por alguns de seus membros. Foi logo após a queda das Torres Gêmeas, e os escombros materiais pareciam um símbolo de outros escombros. Este texto da Escritura contribuiu visivelmente para o restabelecimento da confiança e da esperança de muitos.
Cristo sofre mais do que nós com a humilhação de seus sacerdotes e com a aflição de sua Igreja; se a permite, é por que sabe o bem que dali pode brotar, em vista de uma maior pureza de sua Igreja. Se houver humildade, a Igreja sairá mais esplendorosa que nunca desta guerra!
A fúria da mídia – que podemos ver também em outros casos - no longo prazo teve o efeito oposto daquele desejado. O convite de Cristo: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso” era dirigido, em primeiro lugar, aos que lhe estavam próximos, e hoje aos seus sacerdotes. “Vinde a mim e eu vos darei descanso”: o fruto mais belo deste ano sacerdotal será um retorno a Cristo, uma renovação de nossa amizade com ele. Em seu amor, o sacerdote encontrará tudo aquilo do qual se privou humanamente e “cem vezes mais”, segundo sua promessa.
Transformemos então o protesto inicial de Jeremias em agradecimento: “Obrigado, Senhor por um dia nos ter seduzido, obrigado por termos nos permitido seduzir, obrigado por nos dar a possibilidade de retornarmos a ti e por nos recuperar após cada tentativa de fuga. Obrigado por confiar a nós 'a custódia de teus átrios (Zac 3, 7) e por fazer de nós “a tua boca”. Obrigado por nosso sacerdócio!

Legionários de Cristo oficialmente renegam Marcial Maciel


(IUH) Os Legionários de Cristo se separam do seu fundador, Marcial Maciel, cujos “atos contrários aos deveres de cristão, religioso e sacerdote (…) não correspondem ao que nos esforçamos em viver na Legião de Cristo e no Movimento Regnun Christi”, afirma um comunicado assinado pelo diretor geral da Legião, Álvaro Corcuera, e todos os diretores territoriais da congregação no mundo. Uma carta que, apesar de tudo, é visto como insuficiente para evitar uma intervenção da Santa Sé na congregação.

A notícia é do sítio Religión Digital, 26-03-2010.

O comunicado inicia de forma contundente, dirigindo-se “a todos aqueles que foram afetados, feridos ou escandalizados pelas ações reprováveis do nosso fundador, o Padre Marcial Maciel Degollado, L.C.”.

Levamos tempo para assimilar estes fatos da sua vida. Para muitos – sobretudo para as vítimas – este tempo foi demasiadamente longo e doloroso”, prossegue o texto, que reconhece “que não temos podido ou sabido ir ao encontro de todos como teria sido necessário”.

Os legionários reconhecem que Maciel abusou sexualmente de seminaristas menores e que teve vários filhos. “Profundamente consternados, devemos dizer que estes fatos aconteceram”, diz a nota.

Expressamos, mais uma vez, nossa dor e pesar a todas e cada uma das pessoas que foram feridas pelas ações do nosso fundador. Participamos do sofrimento que este escândalo causou à Igreja e que nos aflige profundamente”, acrescenta o comunicado, pelo qual os legionários “pedem perdão a todas as pessoas que o acusaram no passado e que nós não demos crédito ou não soubemos escutar, pois naqueles momentos não podíamos imaginar estes comportamentos”.

“Ante a gravidade de suas faltas (de Maciel), não podemos olhar a sua pessoa como modelo de vida cristã e sacerdotal”, afirma o texto, numa clara desautorização de seu fundador.

Quanto ao futuro, a carta da cúpula dos Legionários de Cristo se mostra decidida a:

- seguir buscando a reconciliação e o encontro com os que sofreram,
- buscar a verdade sobre a nossa história,
- continuar oferecendo segurança, sobretudo para os menores de idade, em nossas instituições e atividades, tanto nos ambientes como nos procedimentos,
- crescer no espírito de serviço desinteressado à Igreja e às pessoas,
- colaborar melhor com os pastores e com outras instituições dentro da Igreja,
- melhorar a nossa comunicação,
- seguir velando pela aplicação dos controles e procedimentos administrativos em todos os níveis e seguir atuando uma adequada prestação de contas,
- redobrar o nosso empenho na missão de oferecer o Evangelho de Jesus Cristo ao maior número possível de homens,
- e, buscar a santidade de vida com renovado esforço.

A carta é assinada pelos seguintes responsáveis:

P. Álvaro Corcuera, L.C., diretor geral
P. Luis Garza, L.C., vigário geral
P. Francisco Mateos, L.C., conselheiro geral
P. Michael Ryan, L.C., conselheiro geral
P. Joseph Burtka, L.C., conselheiro geral
P. Evaristo Sada, L.C., secretário geral
P. José Cárdenas, L.C., diretor territorial do Chile e Argentina
P. José Manuel Otaolaurruchi, L.C., diretor territorial da Venezuela e Colombia
P. Manuel Aromir, L.C., diretor territorial do Brasil
P. Rodolfo Mayagoitia, L.C., diretor territorial do México e Centroamérica
P. Leonardo Núñez, L.C., diretor territorial de Monterrey
P. Scott Reilly, L.C., diretor territorial de Atlanta
P. Julio Martí, L.C., director territorial de Nueva York
P. Jesús María Delgado, L.C., director territorial de España
P. Jacobo Muñoz, L.C., director territorial de Francia e Irlanda
P. Sylvester Heereman, director territorial de Alemania y centro Europa

Segundo informa o sítio Religión Digital, 26-03-2010, e o jornal Folha de S. Paulo, 27-03-2010, Raúl González Lara, um dos supostos filhos, disse que a nota da ordem é “ridícula” e pediu reparação.

Fonte: http://fratresinunum.com/

SEGUNDA-FEIRA SANTA: JESUS EM BETÂNIA



Meditações de D. Javier Echevarría sobre a Semana Santa.
Ontem recordamos a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém. A multidão dos discípulos e outras pessoas aclamaram-no como Messias e Rei de Israel. No fim do dia, cansado, voltou a Betânia, aldeia situada muito próximo da capital, onde costumava alojar-se nas suas visitas a Jerusalém.

Ali, uma família amiga tinha sempre disponível um lugar para Ele e para os seus. Lázaro, a quem Jesus ressuscitou dos mortos, é o chefe da família; vivem com ele Marta e Maria, suas irmãs, que esperam cheias de entusiasmo a chegada do Mestre, contentes por poder oferecer-lhe os seus serviços.

Nos últimos dias da sua vida na terra, Jesus passa longas horas em Jerusalém, dedicado a uma pregação intensíssima. À noite, recupera as forças em casa dos seus amigos. E em Betânia tem lugar um episódio recolhido pelo Evangelho da Missa de hoje.

Seis dias antes da Páscoa – relata São João –, foi Jesus a Betânia. Ali lhe ofereceram uma ceia; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam com Ele à mesa. Maria tomou então uma libra de perfume de nardo autêntico, muito caro, ungiu os pés de Jesus com ele e enxugou-os com os seus cabelos, e a casa encheu-se com a fragrância do perfume.

Imediatamente salta à vista a generosidade desta mulher. Deseja manifestar o seu agradecimento ao Mestre, por ter devolvido a vida ao seu irmão e por tantos outros bens recebidos, e não repara em gastos. Judas, presente na cena, calcula exatamente o preço do perfume.

Mas, em vez de louvar a delicadeza de Maria, entregou-se à crítica: por que não se vendeu este perfume por trezentos denários para dá-los aos pobres? Na realidade, como faz notar São João, não lhe importavam os pobres; interessava-lhe ter acesso ao dinheiro da bolsa e furtar o seu conteúdo.

«Mas Jesus faz uma avaliação muito diferente», escreve João Paulo II. «sem nada tirar ao dever da caridade para com os necessitados, aos quais os discípulos sempre se hão-de dedicar– « Pobres, sempre os tereis convosco » (Jo 12, 8; cf. Mt 26, 11; Mc 14, 7) –, Ele pensa no momento já próximo da sua morte e sepultura, considerando a unção que Lhe foi feita como uma antecipação daquelas honras de que continuará a ser digno o seu corpo mesmo depois da morte, porque indissoluvelmente ligado ao mistério da sua pessoa.» (Ecclesia de Eucharistia, 47).

Para ser verdadeira virtude, a caridade deve estar ordenada. E o primeiro lugar é de Deus: amarás ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é como este: amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas. Por isso, equivocam-se os que – com a desculpa de aliviar as necessidades materiais dos homens – se desentendem das necessidades da Igreja e dos ministros sagrados. Escreve São Josemaria Escrivá: «aquela mulher que, em casa de Simão o leproso, em Betânia, unge com rico perfume a cabeça do Mestre, recorda-nos o dever de sermos magnânimos no culto de Deus.

– Todo o luxo, majestade e beleza me parecem pouco.

– E contra os que atacam a riqueza dos vasos sagrados, paramentos e retábulos, ouve-se o louvor de Jesus: "Opus enim bonum operata est in me" - uma boa obra fez para comigo.– uma boa obra foi feita comigo».

Quantas pessoas se comportam como Judas! Vêem o bem que fazem outros, mas não querem reconhecê-lo: empenham-se em descobrir intenções torcidas, tendem a criticar, a murmurar, a fazer juízos temerários. Reduzem a caridade ao puramente material – dar umas moedas ao necessitado, talvez para tranqüilizar a sua consciência – e esquecem que – como escreve também São Josemaria Escrivá – «a caridade cristã não se limita a socorrer o necessitado de bens econômicos; leva-nos, antes de mais nada, a respeitar e a defender cada indivíduo enquanto tal, na sua intrínseca dignidade de homem e de filho do Criador».

A Virgem Maria entregou-se completamente ao Senhor e esteve sempre preocupada com os homens. Hoje pedimos-lhe que interceda por nós, para que, nas nossas vidas, o amor a Deus e o amor ao próximo se unam numa só coisa, como as duas faces de uma mesma moeda.

* * *

sábado, 27 de março de 2010

JOÃO PAULO II, BENTO XVI E O SACERDOTE ( parte III).


Ratzinger e sua resposta a crise sacerdotal.

Agora chegou a vez de o próprio Ratzinger responder a questão, levando em consideração que sua resposta tem relevância, devido sua atual posição como Pastor da Igreja Católica. Porém a resposta de Ratzinger segue sua pergunta sobre a tensão do concílio de Trento e Vaticano II, o qual já foi exposto na primeira parte destas reflexões, mas reproduzo abaixo:

“Disto vem encontro uma distinção sobre a acentuação da função sacerdotal. De um lado temos à centralidade da Eucaristia para o sacerdócio (sacerdos-sacrificium), até então clássica no catolicismo, o primado da palavra, que até o momento fora tipicamente protestante. O Vaticano II diante destes questionamentos da Reforma (e também com o concílio de Trento), da modernidade se pergunta, até que ponto esta imagem típica do sacerdócio clássico pode progredir sem perder o essencial”?

Ratzinger, assim como João Paulo II, também elabora um fundamento Cristológico, do qual tenta unir a tensão já enunciada acima.

“Para chegar a uma resposta devemos nos perguntar primeiro: o que significa realmente “evangelizar”? Em que consiste? O que é este Evangelho? Mais uma vez: para fundamentar o primado do anúncio do Evangelho, o Concílio poderia muito bem ter-se remetido aos evangelhos. Vêm à minha mente algo que está na raiz do breve e significativo episódio que se encontra no início do evangelho de Marcos, quando o Senhor, que é procurado por todos por causa de seu poder milagroso, se retira para um lugar solitário e, ali, reza, (Mc 1,35ss). Diante da insistência de “Pedro e de seus companheiros”, o Senhor responde: “Vamo-nos para outro lugar, para as aldeias da redondeza, pois devo pregar também ali; foi para isto que eu vim” (1,38). Como finalidade específica de sua vinda Jesus indica o anúncio do Reino de Deus”.

O cardeal prossegue sua reflexão frisando que a finalidade específica de Jesus é o anúncio de seu reino. Este anúncio deve por um lado está unido ao recolhimento da oração.

“Precisamente tal recolhimento parece ser sua condição de possibilidade; e, está unido com a “expulsão dos demônios” (1,39), ou seja: não se trata apenas de palavras, mas ao mesmo tempo de atuação eficaz. Não tem lugar dentro de um belo mundo santificado, mas em mundo dominado por demônios, e significa uma intervenção libertadora neste mundo”.

A partir daqui Ratzinger avança na suas reflexões, mostrando que o anúncio do Reino acontece em meio a parábolas e sinais. Sua Palavra não é mero assunto intelectual, para debates, mas produz realidade. É, neste sentido, palavra “encarnada”; a correspondência de palavra e sinal mostra a estrutura “sacramental”.

Avançando ainda mais em sua reflexão, o teólogo mostra que diferentemente de um mero Rabi, o conteúdo deste Reino não é independente. Ou seja, Cristo seu uni a este conteúdo, pois Ele mesmo é o reino.

Assim se entrelaçam palavra e realidade de uma forma nova: a parábola provoca a ira dos inimigos que, justamente, fazem tudo o que se narra. Eles matam o Filho. Isto significa: as parábolas estariam vazias sem a pessoa viva do Filho que se “translada” (Mc 1,38), que “foi enviado” pelo Pai (12,6). Estariam vazias sem a verificação da palavra da cruz e a Ressurreição. Desta forma, entendemos agora que a pregação de Jesus deve ser considerada desde um sentido “sacramental” ainda mais profundo do que pudemos ver até agora: sua palavra traz consigo a realidade da Encarnação e o tema da cruz e da ressurreição. É palavra-ato neste sentido totalmente profundo. Assim o compreende a Igreja na correspondência entre pregação e eucaristia, porém também entre pregação e testemunho vivo e sofredor.

Trazendo isto para o sacerdote, se conclui que sua missão não está em revelar a si próprio, mas a Cristo, sua voz só terá sentido quando estiver na Voz de Jesus, no Verbo encarnado. Para o pregador cristão isto significa que ele não fala de si, mas se converte em voz de Cristo para assim criar espaço para o próprio Logos e, através da comunhão com o homem Jesus, conduzir para a comunhão com o Deus vivo. O anúncio da Palavra no sacerdócio, exige uma auto- expropriação, até chegar nas palavras de S. Paulo: “Já não sou eu quem vivo, é Cristo quem vive em mim” (Gal 2,20).

Concluindo, em Ratzinger e João Paulo II, encontramos respostas bem elaboradas sobre a ontologia sacerdotal. Percebe-se que estes dois grandes teólogos, não prescindiram de uma condição, ao contribuir neste assunto tão profundo. Esta condição é a unidade profunda do homem que é “separado dentre os homens”, com Cristo. É a configuração com Cristo, que faz o sacerdote. E quando o homem pretende distinguir, a aplicar um dualismo entre Cristo e o meu eu, surgem não só problemas teológicos como também práticos.
Os problemas gerados recentemente por alguns padres em todo o mundo são provas de uma vivência cotidiana, que não procura unir ao caráter ontológico, mas uma separação, onde anunciar o reino é uma função, com hora marcada e lugar delimitado. Bento XVI sabe muito bem, e suas últimas declarações caminham nesta direção, que o problema do sacerdote hoje, não é o celibato ou a necessidade de se secularizar. É um problema não só do clero, mas de todos os cristãos. Este problema é a ausência de Cristo. A mesma situação que acontece com a sociedade, quando reserva apenas “horas”, e submete Cristo a uma condição espaço temporal, onde ali Ele “entra em cena”, pode acontecer com aqueles que foram chamados a se configurar radicalmente suas vidas, quando dualizam o que nunca pode ser dualizado ou quando separam o que é para “si” do tempo que é para Cristo.
S. João Maria Vianney, rogai por nós!

Fonte: RATZINGER, Joseph. Convocados em el camino de la Fé. Trad: Padre Paulo Ricardo. Madrid, Ediciones Cristandad, 2005, p.159-180

JOÃO PAULO II, BENTO XVI E O SACERDOTE (parte II).


João Paulo II e sua resposta a problemática sacerdotal.

Prosseguindo então caríssimos nossa reflexão acerca do sacerdócio, já iniciada com a grande contribuição do cardeal Ratzinger, que descreveu a situação da teologia sacerdotal antes, durante e depois do concílio (do qual, pode-se ler neste mesmo blog, pelo texto “João Paulo II, Bento XVI e o sacerdote”).
Porém surge a questão. Como João Paulo II, através de seu longo pontificado, respondeu as difíceis situações já elucidadas pelo cardeal Ratzinger? Segue a reflexão abaixo.

Após a intensa crise existencial dos sacerdotes após o Vaticano II, e durante as dificuldades teológicas, com interpretações não adequadas que não respondem totalmente a realidade sacerdotal, temos 1971 com o sínodo dos bispos e em 1992 a célebre exortação apostólica "Pastores Davo Vobis", como exortação pós conciliar.
Apesar do documento conciliar Presbiterorum Ordinys não pertencer a autoria de João Paulo II, influenciou profundamente, pois mesmo não resolvendo toda a problemática sacerdotal, como já lembrava Ratzinger, ofereceu luzes, para o papa polonês. Temos abaixo uma síntese realizada pelo Prof. Dr. Pe. Geraldo Luís Borges Hackmann, sobre os principais fundamentos que nortearam a reflexão teológica de João Paulo II:

1)Fundamento Cristológico: O presbítero é representante de Cristo perante a comunidade, isto é, visibilidade sacramental de Cristo Cabeça e Pastor. É no sacerdócio de Cristo, que o padre encontra sua base ontológica. Como conseqüência o sacerdote é reservado estritamente para a esfera espiritual. O Magistério após o concílio com Paulo V e João Paulo II, buscaram esta identidade sacerdotal, fazendo um correta distinção do sacerdócio comum dos fiéis.

“Trata-se, ao contrário, de uma real e íntima transformação por que passou o vosso organismo sobrenatural por obra de um sinete divino, o caráter, que vos habilita a agir in persona Christ, e por isso vos qualifica em relação e Ele como instrumentos vivos de sua ação”. Homilia proferida na missa de ordenação sacerdotal no Rio de Janeiro.

2)Fundamento eclesiológico: É necessário estabelecer uma sintonia entre e a fundamentação cristológica e eclesiológica do ministério sacerdotal. Ele ( o sacerdote) é Alter Christus, pois torna sacramentalmente Cristo presente na Igreja e para as pessoas. Aqui se faz necessário uma correta distinção do sacerdote e do ministério sacerdotal e do laicato.

“ O sacerdote, alter Christus, é na Igreja o minisitro das ações salvíficas. Pelo seu poder sacrifical sobre o Corpo e o Sangue do Redentor, pelo seu poder de anunciar autorizadamente o seu evangelho, de vencer o mal do pecado, mediante o perdão sacramental, ele –in persona Christ Capitis- é fonte de vida e vitalidade na Igreja e na Paróquia”. Congregação para o Clero 2002.

3) Fundamento trinitário: Também entendido como escatológico, seria para conciliar as duas tendências, funcional e sacramental. Portanto, em Cristo (in persno Christ) o sacerdote representa a cabeça de Cristo na Igreja (in persona ecclesiae). João Paulo II desenvolve na Pastores Davo Vobis, um mooe de pensar próprio desta fundamentação.

"A identidade sacerdotal - escreveram os Padres Sinodais - como toda e qualquer identidade cristã, encontra na Santíssima Trindade a sua própria fonte" (20), que se revela e autocomunica aos homens em Cristo, constituindo nele e por meio do Espírito a Igreja como "gérmen e início do Reino". A Exortação Christifideles laici sintetizando a doutrina conciliar, apresenta a Igreja como mistério, comunhão e missão: ela "é mistério porque o amor e a vida do Pai, do Filho e do Espírito Santo constituem o dom absolutamente gratuito oferecido a quantos nasceram da água e do Espírito (cf. Jo 3, 5), chamados a reviver a própria comunhão de Deus e a manifestá-la e comunicá-la na história (missão)". É no interior do mistério da Igreja como comunhão trinitária em tensão missionária, que se revela a identidade cristã de cada um e, portanto, a específica identidade do sacerdote e do seu ministério. O presbítero, de facto, em virtude da consagração que recebe pelo sacramento da Ordem, é enviado pelo Pai, através de Jesus Cristo, ao qual como Cabeça e Pastor do seu povo é configurado de modo especial para viver e actuar, na força do Espírito Santo, ao serviço da Igreja e para a salvação do mundo. Pastore Dabo Vobis 12

Por fim João Paulo II recorda, na mensagem aos sacerdotes em 1991, que os frutos do sínodo trouxeram uma nova Graça e uma nova maturidade da visão do ministério sacerdotal. O saudoso papa acrescenta que a dimensão humana deve estar radica em Cristo, e que sem isso o homem não poderá responder as expectativas do homem e do mundo. E que a necessidade d sacerdotes deverá superar desta crise existencial.

sexta-feira, 26 de março de 2010

DOMINGO DE RAMOS: JESUS ENTRA EM JERUSALÉM


Começa a Semana Santa e recordamos a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém. Escreve São Lucas. «Ao aproximar-se de Betfagé e de Betânia, junto ao monte chamado das Oliveiras, enviou dois dos seus discípulos dizendo-lhes: "Ide a essa aldeia que está em frente e, ao entrar, encontrareis um burrico amarrado que nunca ninguém montou. Soltai-o e trazei-o. Se alguém vos perguntar porque o soltais, dir-lhe-eis: o Senhor tem necessidade dele". Foram e encontraram tudo como o Senhor lhes tinha dito».

Que pobre montaria Nosso Senhor escolhe! Talvez nós, presunçosos, tivéssemos escolhido um imponente cavalo. Porém, Jesus não se guia por razões meramente humanas, mas por critérios divinos. «Isto sucedeu – anota São Mateus – para que se cumprissem as palavras do profeta: "Dizei à filha de Sião: eis que o teu rei vem a ti, manso e montado sobre um jumento, num burrico, filho de jumenta"».

Jesus Cristo, que é Deus, contenta-se com um burrico por trono. Nós, que não somos nada, mostramo-nos muitas vezes vaidosos e soberbos: procuramos sobressair, chamar a atenção; tratamos de que os outros nos admirem e louvem. São Josemaria Escrivá, canonizado por João Paulo II há dois anos, ficou cativado com esta cena do Evangelho.

Dizia de si mesmo que era um burrico sarnento, que não valia nada; mas como a humildade é a verdade, reconhecia também que era depositário de muitos dons de Deus; especialmente, da tarefa de abrir caminhos divinos na terra, mostrando a milhões de homens e mulheres que podem ser santos no cumprimento do trabalho profissional e dos deveres ordinários.

Jesus entra em Jerusalém sobre um burrico. Temos de tirar conseqüências desta cena. Cada cristão pode e deve converter-se em trono de Cristo. E aqui servem como anel ao dedo umas palavras de São Josemaria. «Se a condição para que Jesus reinasse na minha alma, na tua alma, fosse contar previamente com um lugar perfeito dentro de nós, teríamos motivos para desesperar. Jesus contenta-se com um pobre animal por trono. (...).Há centenas de animais mais belos, mais hábeis e mais cruéis. Mas Cristo escolheu esse para se apresentar como rei diante do povo que o aclamava. Porque Jesus não sabe o que fazer com a astúcia calculista, com a crueldade dos corações frios, com a formosura vistosa, mas oca. Nosso Senhor ama a alegria de um coração jovem, o passo simples, a voz sem falsete, os olhos limpos, o ouvido atento à sua palavra de carinho. É assim que reina na alma.».

Deixemo-lo tomar posse dos nossos pensamentos, palavras e ações! Afastemos sobretudo o amor-próprio, que é o maior obstáculo ao reinado de Cristo! Sejamos humildes, sem nos apropriarmos de méritos que não são nossos. Imaginais o ridículo em que cairia o burrico, se se tivesse apropriado das aclamações e aplausos que as pessoas dirigiam ao Mestre?

Comentando esta cena evangélica, João Paulo II recorda que Jesus não entendeu a sua existência terrena como procura do poder, como ânsia de êxito e de fazer carreira, ou como vontade de domínio sobre os outros. Pelo contrário, renunciou aos privilégios da sua igualdade com Deus, assumiu a condição de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e obedeceu ao projeto do Pai até à morte na Cruz (Homilia, 8-IV-2001).

O entusiasmo das pessoas não costuma ser duradouro. Poucos dias depois, os que o tinham aclamado pedirão aos gritos a sua morte. E nós deixar-nos-emos levar por um entusiasmo passageiro? Se nestes dias notamos o movimento divino da graça de Deus, que passa por nós, podemos dar-lhe lugar nas nossas almas. Estendamos no chão, mais que as palmas ou os ramos de oliveira, os nossos corações. Sejamos humildes. Sejamos mortificados. Sejamos compreensivos com os outros. Esta é a homenagem que Jesus espera de nós.

A Semana Santa oferece-nos a oportunidade de reviver os momentos fundamentais da nossa Redenção. Mas não esqueçamos que – como escreve São Josemaria –, «para acompanhar Cristo na sua glória, no fim da Semana Santa, é necessário que penetremos antes no seu holocausto, e que nos sintamos uma só coisa com Ele, morto sobre o Calvário». Para isso, nada melhor que caminhar pela mão de Maria. Que Ela nos obtenha a graça de que estes dias deixem uma marca profunda nas nossas almas. Que sejam, para cada uma e cada um, ocasião de aprofundar no Amor de Deus, para assim mostrá-lo aos outros.

Meditações de D. Javier Echevarría sobre a Semana Santa.
Fonte: Site Opus Dei

quinta-feira, 25 de março de 2010

Marx, o falso Moisés das massas


Por muitos anos, Marx foi visto como um novo Moisés, que libertaria o seu povo escolhido, o proletariado, da escravidão do capital e o conduziria para a Terra Prometida do comunismo. Mas o que se viu na prática é que essa religião sem Deus conduzia os seus adeptos a uma nova escravidão no Egito da mundanidade.
Dentre os muitos opositores da fé cristã, o marxismo certamente não é a filosofia mais importante, imponente ou impressionante da história.
Mas até há pouco tempo era decerto a mais influente. Uma comparação entre os mapas-múndi de 1917, 1947 e 1987 mostra como esse sistema de pensamento fluiu inexoravelmente, a ponto de inundar um terço do mundo em apenas duas gerações, feito apenas emulado duas vezes na história: uma pelo cristianismo e outra pelo islamismo.
Vinte anos atrás, todas as disputas políticas e militares do mundo, da América Central ao Oriente Médio, podiam ser consideradas em termos de comunismo versus anticomunismo.
Em grande medida, o próprio fascismo se tornou popular na Europa – e ainda tem uma força considerável na América Latina – pela sua oposição ao que Marx chama de “espectro do comunismo” na primeira frase do seu Manifesto do Partido Comunista.
O Manifesto foi um dos momentos-chave da história. Publicado em 1848, “o ano das revoluções” pela Europa afora, foi, como a Bíblia, essencialmente uma filosofia da história, passada e futura. Toda a história passada foi reduzida à luta de classes entre opressor e oprimido, mestre e escravo, seja na forma de rei versus povo, pároco versus paroquiano, mestre de guilda versus aprendiz, e mesmo marido versus mulher e pais versus filhos.
Era uma visão da história que consegue ser mais cínica que a de Maquiavel. O amor é totalmente negado ou ignorado; a regra universal é a competição e a exploração.
Mas, para Marx, isso agora pode ser mudado, porque precisamente agora, pela primeira vez na história, não teríamos muitas classes sociais, mas apenas duas: a burguesia (“aqueles que têm”, os proprietários dos meios de produção) e o proletariado (“aqueles que não têm”, que não são proprietários dos meios de produção).
Os proletários deveriam vender-se a si próprios e vender o seu trabalho aos proprietários, até o dia em que a revolução comunista “eliminaria” (eufemismo para “assassinar”) a burguesia, abolindo assim as classes e a luta de classes para sempre e estabelecendo um milênio de paz e igualdade. Ou seja: depois de ter sido cínico com relação ao passado, Marx mostrava-se gritantemente ingênuo com relação ao futuro.
O que fez Marx ser como era? Quais eram as fontes da sua crença?
Marx deliberadamente repudiou (1) a sobrenaturalidade e (2) a peculiaridade das suas raízes judaicas para abraçar (1) o ateísmo e (2) o comunismo. Contudo, o marxismo ainda retinha, de forma secularizada, todos os principais fatores estruturais e emocionais da religião bíblica. Marx, como Moisés, era o profeta que libertava o novo povo escolhido, o proletariado, da escravidão do capital e o conduzia para a Terra Prometida do comunismo, para além do Mar Vermelho da sangrenta revolução mundial e através de um deserto de sofrimento passageiro dedicado ao partido, que era o novo clero.
A revolução era o novo “Dia de Javé”, o Dia do Juízo; os porta-vozes do partido eram os novos profetas; e os expurgos políticos para manter a pureza ideológica dentro do partido eram os novos juízos divinos sobre os descaminhos dos eleitos e dos seus líderes. O tom messiânico do Comunismo tornava-o, tanto na estrutura como no sentimento, mais parecido com uma religião do que qualquer outro sistema político, excetuado o fascismo.
Marx fez à sua herança filosófica hegeliana o mesmo que fez à sua herança religiosa: assumiu as suas formas e o seu espírito sem assumir o seu conteúdo. Transformou o “idealismo dialético” de Hegel no “materialismo dialético”! Por isso, costuma-se dizer que o marxismo inverteu o hegelianismo.
As sete idéias radicais que Marx herdou de Hegel foram:
Monismo: tudo é uma coisa só e a distinção que o senso comum faz entre matéria e espírito é ilusória. Para Hegel, a matéria é apenas uma forma do espírito; para Marx, o espírito é apenas uma forma da matéria.
Panteísmo: a distinção entre Criador e criatura, marca distintiva do judaísmo, é falsa. Na filosofia de Hegel, o mundo transforma-se num aspecto de Deus (Hegel era panteísta); no marxismo, Deus é reduzido ao mundo (Marx era ateu).
Historicismo: tudo muda, mesmo a verdade. Não há nada acima da história e, portanto, o que foi verdade numa época pode ser falso na época seguinte, e vice-versa. Em outras palavras, o Tempo é Deus.
Dialética: a história move-se apenas por conflitos entre forças opostas, a “tese” versus a “antítese” que se unem num patamar superior que é a “síntese”. Isto aplica-se às classes, às nações e às idéias. A valsa da dialética é executada no salão de bailes da história até que finalmente chegue o Reino de Deus – que Hegel identificou com o Estado prussiano. Marx deixou tudo mais internacional e identificou o Reino de Deus com o Estado mundial comunista.
Necessitarismo ou fatalismo: a dialética e os seus resultados não são livres, mas inevitáveis e necessários. O marxismo é uma espécie de predestinação calvinista sem um predestinador divino.
Estatismo: uma vez que não há lei ou verdade eterna e trans-histórica, o Estado é supremo e incriticável. Neste ponto, Marx novamente torna o pensamento de Hegel mais internacional.
Militarismo: uma vez que acima dos Estados não há leis universais, naturais ou eternas para resolver as diferenças entre eles, a guerra é inevitável e necessária enquanto existirem Estados.
Como muitos outros pensadores anti-religiosos desde a Revolução Francesa, Marx adotou o secularismo, o ateísmo e o humanismo do século XVIII, o “século das luzes”, juntamente com o racionalismo e a sua fé na aparente onisciência da ciência e onipotência da tecnologia. Novamente, tratou-se de uma transferência das formas, do sentimento e da função da religião bíblica para um outro deus e uma outra fé. Porque o racionalismo baseia-se numa fé, e não numa evidência. A fé em que a razão humana pode conhecer tudo o que é real não pode ser provada pela razão humana; e a própria crença de que tudo o que é real pode ser provado pelo método científico não pode ser provada pelo método científico.
Além do hegelianismo e do iluminismo, Marx ainda sofreu uma terceira influência: o reducionismo econômico. Como o nome diz, trata-se da redução de todas as questões a questões econômicas. Estivesse Marx lendo este texto agora, diria que a causa real das minhas idéias não é a capacidade da minha mente para conhecer a verdade, mas as estruturas econômicas capitalistas da sociedade que me “produziu”. Marx acreditava que o pensamento é, na sua raiz, totalmente determinado pela matéria; que o homem é totalmente determinado pela sociedade; e que a sociedade é totalmente determinada pela economia. Isso é pôr de cabeça para baixo a idéia tradicional de que a mente comanda o corpo, que os homens comandam as sociedades e as sociedades comandam a economia.
Por fim, dos “socialistas utópicos”, Marx adotou a idéia de posse coletiva da propriedade e dos meios para produzi-la. Diz Marx: “A teoria do comunismo pode ser resumida numa só frase: abolição da propriedade privada”. Na realidade, as únicas sociedades em toda a história a serem bem-sucedidas na prática do comunismo foram os mosteiros, os kibutzim, as tribos e as famílias (instituições que Marx também queria abolir). Todos os governos comunistas (tais como o da União Soviética) transferiram a propriedade privada para as mãos do Estado, não do povo. A crença de Marx de que o Estado “definharia” por conta própria e de bom grado uma vez que eliminasse o capitalismo e pusesse o comunismo no seu lugar provou ser surpreendentemente ingênua. Bem sabemos que, uma vez tomado o poder, apenas a sabedoria e a santidade podem libertá-lo.
O apelo mais profundo do comunismo, especialmente nos países do Terceiro Mundo, não foi a vontade de comunitarismo, mas o que Nietzsche chamou de “a vontade de poder”. Nietzsche viu mais fundo no coração do comunismo que o próprio Marx.
Como Marx lidou com as objeções mais óbvias ao comunismo: que o comunismo suprime a privacidade e a propriedade privada, a individualidade, a liberdade, a motivação para o trabalho, a educação, o casamento, a família, a cultura, as nações, a religião e a filosofia? Marx não negou que o comunismo eliminava essas coisas, mas afirmou que o capitalismo já fizera isso. Argumentva, por exemplo, que o “burguês vê a esposa como um simples instrumento de produção”. Em assuntos mais importantes e delicados, como a família e a religião, oferece-nos mais retórica do que lógica; exemplo: “A conversa mole da burguesia sobre a família e a educação, sobre a sagrada relação entre pais e filhos, deixa o assunto ainda mais asqueroso...” E eis aqui a sua “resposta” às objeções religiosas e filosóficas à sua teoria: “As acusações contra o comunismo feitas de pontos de vista religioso, filosófico e, em suma, ideológico, não merecem um exame sério”.
A mais simples refutação do marxismo é o fato de o materialismo ser autocontraditório. Se as idéias não são nada além de produtos das forças materiais e econômicas, tal como os carros e os sapatos, então as idéias comunistas são simplesmente isso também. Se todas as nossas idéias são determinadas, não pela intuição da verdade, mas pelos movimentos necessários da matéria; se não há meios de controlar os movimentos da nossa língua, então o pensamento de Marx não é mais verdadeiro que o de Moisés. Atacar as bases do pensamento é atacar o próprio ataque.
Marx viu isso e até o admitiu. Reinterpretou as palavras como armas, não como verdades. A finalidade das palavras do Manifesto (e também, em última análise, as palavras da sua obra mais longa e ainda mais pseudo-científica: O capital) não foi provar alguma verdade, mas suscitar a revolução: “Até agora os filósofos interpretaram o mundo de diversas formas, cabe a nós transformá-lo”. Marx era basicamente um pragmático.
Mas há contradição mesmo do ponto de vista pragmático. O Manifesto termina com esta famosa exortação: “Os comunistas rejeitam dissimular as suas perspectivas e propósitos. Declaram abertamente que os seus fins só podem ser alcançados pela derrubada violenta de toda a ordem social até aqui. Podem as classes dominantes tremer ante uma revolução comunista! Nela os proletários nada têm a perder a não ser as suas cadeias. Têm um mundo a ganhar. Proletários de todos os países, uni-vos!” Mas essa exortação é contraditória, porque Marx negava o livre arbítrio. Tudo já estava definido, a revolução era “inevitável”, escolhesse eu participar dela ou não. Não se pode fazer um apelo ao livre arbítrio e negá-lo ao mesmo tempo.
Além dessas duas objeções filosóficas, há também fortes objeções práticas ao comunismo. Uma delas é o fato de nenhuma das suas previsões ter dado certo. A revolução não aconteceu na data nem no lugar previsto pelos marxistas. O capitalismo não desapareceu, nem o Estado, a família e a religião. E o comunismo não produziu contentamento e igualdade em nenhum dos lugares onde ganhou força.
Marx só foi capaz de fazer uma coisa: bancar o Moisés e conduzir os tolos de volta à escravidão no Egito (mundanidade). O verdadeiro Libertador espera na coxia pelo truão “que se empavona e agita por uma hora no palco” para conduzi-lo, juntamente com os seus colegas tolos, à “empoeirada morte”, precisamente o assunto que os filósofos marxistas se negam a tocar.


Peter Kreeft
Professor de Filosofia no Boston College e autor de inúmeros livros sobre filosofia, apologética e moral.

Gloriemo-nos também nós na Cruz do Senhor !




A paixão de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo é para nós penhor de glória e exemplo de paciência.
Haverá alguma coisa que não possam esperar da graça divina os corações dos fiéis, pelos quais o Filho unigênito de Deus, eterno como o Pai, não apenas quis nascer como homem entre os homens, mas quis também morrer pelas mãos dos homens que tinha criado?
Grandes coisas o Senhor nos promete no futuro! Mas o que ele fez por nós e agora celebramos é ainda muito maior. Onde estávamos ou quem éramos, quando Cristo morreu por nós pecadores? Quem pode duvidar que ele dará a vida aos seus fiéis, quando já lhes deu até a sua morte? Por que a fraqueza humana ainda hesita em acreditar que um dia os homens viverão em Deus?

Muito mais incrível é o que já aconteceu: Deus morreu pelos homens.

Quem é Cristo senão aquele que no princípio era a palavra, e a palavra estava com Deus, e a palavra era Deus? (Jo 1,1). Essa palavra de Deus se fez carne e habitou entre nós (Jo 1,14). Se não tivesse tomado da nossa natureza a carne mortal, Cristo não teria possibilidade de morrer por nós. Mas deste modo o imortal pôde morrer e dar sua vida aos mortais. Fez-se participante de nossa morte para nos tornar participantes de sua vida. De fato, assim como os homens, pela sua natureza, não tinham possibilidade alguma de alcançar a vida, também ele, pela sua natureza não tinha possibilidade alguma de sofrer a morte.
Por isso entrou, de modo admirável, em comunhão conosco: de nós assumiu a mortalidade, o que lhe possibilitou morrer; e dele recebemos a vida.
Portanto, de modo algum devemos envergonhar-nos da morte de nosso Deus e Senhor; pelo contrário, nela devemos confiar e gloriar-nos acima de tudo. Pois tomando sobre si a morte que em nós encontrou, garantiu com total fidelidade dar-nos a vida que não podíamos obter por nós mesmos.
Se ele tanto nos amou, a ponto de, sem pecado, sofrer por nós pecadores, como não dará o que merecemos por justiça, fruto da sua justificação? Como não dará a recompensa aos justos, ele que é fiel em suas promessas e, sem pecado suportou o castigo dos pecadores?
Reconheçamos corajosamente, irmãos, e proclamemos bem alto que Cristo foi crucificado por amor de nós; digamos não com temor, mas com alegria, não com vergonha, mas com santo orgulho.
O apóstolo Paulo compreendeu bem esse mistério e o proclamou como um título de glória. Ele, que teria muitas coisas grandiosas e divinas para recordar a respeito de Cristo, não disse que se gloriava dessas grandezas admiráveis – por exemplo, que sendo Cristo Deus como o Pai, criou o mundo; e, sendo homem como nós, manifestou o seu domínio sobre o mundo – mas afirmou: Quanto a mim, que eu me glorie somente na cruz do Senhor nosso, Jesus Cristo (Gl 6,14).

quarta-feira, 24 de março de 2010

O Santo Tríduo Pascal e a Indulgência Plenária


Estamos nos aproximando da semana Santa. Para estes dias a Igreja nos convida a algumas práticas de piedade. Segue abaixo algumas praticás que nos concedem Indulgências plenárias.


Durante o santo Tríduo Pascal podemos ganhar para nós ou para os defuntos o dom da Indulgência Plenária se realizarmos algumas das seguintes obra estabelecidas pela Santa Sé.

Obras que gozam do dom da indulgência pascal:

Quinta-feira Santa


1. Se durante a solene reserva do Santíssimo, que segue à Missa da Ceia do Senhor, recitamos ou cantamos o hino eucarístico "Tantum Ergo" ("Adoremos Prostrados").

2. Se visitarmos pelo espaço de meia hora o Santíssimo Sacramento reservado no Monumento para adorá-lo.

Sexta-feira Santa

1. Se na Sexta-feira Santa assistirmos piedosamente à Veneração da Cruz na solene celebração da Paixão do Senhor.

Sábado Santo

1. Se rezarmos juntos a reza do Santo Rosário.

Vigília Pascal

1. Se assistirmos à celebração da Vigília Pascal (Sábado Santo de noite) e nela renovamos as promessas de nosso Santo Batismo.

Condições:

Para ganhar a Indulgência Plenária além de ter realizado a obra enriquecida se requer o cumprimento das seguintes condições:

A. Exclusão de todo afeto para qualquer pecado, inclusive venial.

B. Confissão sacramental, Comunhão eucarística e Oração pelas intenções do Sumo Pontífice. Estas três condições podem ser cumpridas uns dias antes ou depois da execução da obra enriquecida com a Indulgência Plenária; mas convém que a comunhão e a oração pelas intenções do Sumo Pontífice se realizem no mesmo dia em que se cumpre a obra.

É oportuno assinalar que com uma só confissão sacramental podemos ganhar várias indulgências. Convém, não obstante, que se receba freqüentemente a graça do sacramento da Penitência, para aprofundar na conversão e na pureza de coração. Por outro lado, com uma só comunhão eucarística e uma só oração pelas intenções do Santo Padre só se ganha uma Indulgência Plenária.

A condição de orar pelas intenções do Sumo Pontífice se cumpre rezando-se em sua intenção um Pai Nosso e Ave-Maria; mas se concede a cada fiel cristão a faculdade de rezar qualquer outra fórmula, segundo sua piedade e devoção.
Fonte: ACI DIGITAL

terça-feira, 23 de março de 2010

O costume de cobrir as cruzes e as imagens nas igrejas durante a Semana Santa




É possível nos dias atuais resgatar, mesmo na forma ordinária da liturgia romana, o antigo costume de cobrir as cruzes e imagens das igrejas? Esta é uma pergunta que com certeza muitas pessoas ligadas à liturgia paroquial e sacerdotes zelosos se fazem nesses dias que antecedem a semana santa. Encontra-se a seguir uma resposta muito objetiva, fornecida pelo Secretariado Nacional de Liturgia da Conferência Episcopal Portuguesa:

Pergunta:Gostaria de receber uma orientação, quanto ao costume de se cobrirem as imagens das igrejas no tempo da Quaresma. Quando se cobrem: No início da Quaresma ou apenas no início da Semana Santa, ou seja, no Domingo de Ramos? E quando se descobrem: Antes da celebração do Lava-pés, em Quinta-Feira Santa, ou no fim da celebração da Adoração da Cruz, em Sexta-Feira Santa?

Resposta: Antes da reforma litúrgica do Vaticano II era obrigatório cobrir, com véus roxos, todas as cruzes e imagens expostas ao culto na igreja. No Missal Romano de S. Pio V, terminada a missa do Sábado que precedia o Domingo da Paixão (actual V Domingo da Quaresma), vinha esta rubrica: “Antes das Vésperas, cobrem-se as Cruzes e Imagens que haja na igreja. As Cruzes permanecem cobertas até ao fim da adoração da Cruz, na Sexta-Feira Santa, e as Imagens até ao Hino dos Anjos (Glória a Deus nas Alturas) no Sábado Santo”. Vê-se que era um costume ligado às duas últimas semanas da Quaresma, através do qual se desejava centrar a atenção dos fiéis no mistério da Paixão do Senhor. Tudo o que pudesse desviá-la, como eram as imagens dos Santos, cobria-se. Donde vinha este costume? Certamente dos começos do segundo milénio ou dos finais do primeiro. E o que dizem as normas litúrgicas actuais? Uma rubrica inserida no Missal Romano, depois da Missa do Sábado anterior ao V Domingo da Quaresma, diz: “O costume de cobrir as cruzes e as imagens das igrejas pode conservar-se, conforme o parecer da Conferência Episcopal. As cruzes permanecem cobertas até ao fim da celebração da Paixão do Senhor, na Sexta- Feira Santa; as imagens, até ao começo da Vigília Pascal (cf. Missal Romano, p. 206).

Por um sentido litúrgico se concentrar a atenção unicamente no mistério de Cristo Sofredor, pode-se continuar a bela tradição de cobrir as imagens, e assim esperar a gloriosa ressurreição de Cristo, Redentor de nossas almas.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Beleza e Liturgia !


A Festa de Casamento do Cordeiro descrita no Livro da Revelação na verdade descreve a Sagrada Liturgia da Igreja. No clímax do seu divino oficio a noiva reflete a imagem do noivo – a imagem do Verbo encarnado, que é Beleza encarnada. Para o mundo, a máxima “a beleza está nos olhos de quem vê” é um tema subjetivo. Para a noiva de Cristo isto é uma realidade concreta da Encarnação!

Tristemente em nosso tempo, o banal e vulgar invadiram nossos santuários, seguindo um desorientado senso de criatividade. Nada, entretanto, é mais importante atualmente do que a restauração da beleza na Sagrada Liturgia, a restauração do sagrado.
Quando se celebra a Sagrada Liturgia com verdadeira reverência e beleza, a Igreja deve ser capaz de “distinguir entre o sagrado e o profano”. Quando falsas “inculturações” poluem o serviço litúrgico nós podemos estar certos de que “tudo não é válido; tudo não é licito; tudo não é bom”. O secular, o barato, o inferior e o não-artístico “não são maneiras de se cruzar o templo do Senhor”

Para se “restaurar o sagrado” nós devemos primeiro e principalmente contemplar a beleza de Cristo na Sagrada Liturgia – uma ação sacra que supera todas as outras. Isto começa com a fidelidade exterior às rubricas, mas leva a interna união com Cristo, para “aqueles que o servem devem servi-lo em espírito e verdade”. A beleza espiritual da Sagrada Liturgia transforma as vidas dos católicos. De fato, “o encontro com a beleza se transforma na ponta da flecha que acerta o coração e desta forma abre os nossos olhos”. Esta beleza espiritual molda o coração como o de Cristo na beleza moral. E quando a beleza espiritual da Sagrada Liturgia transforma uma alma, o ser humano pode criar coisas belas, como arte, arquitetura, poesia e música.
Esta beleza humana, formada pela beleza de Cristo na Sagrada Liturgia, imita o gênio criativo de Deus que deu a este mundo uma beleza natural inerente.

Quando a bela e radiante face de Cristo Nosso Salvador torna-se o centro do ofício sagrado toda a criação clama com o salmista: “tudo o que Ele fez é cheio com o esplendor e beleza”.

Se a beleza da Santa Missa não repousa, em essência, sobre a esplendida beleza da iconografia, das vestimentas, do canto gregoriano ou da arquitetura barroca, por que então a Igreja investiu tanto do seu patrimônio patrocinando estas artes sacras? Deus colocou um desejo legítimo na alma humana para criar coisas belas porque Ele deseja que os homens compartilhem a criação, uma criação que é boa e bela.
“Todo gesto litúrgico, sendo um gesto de Cristo, é invocado para expressar beleza”. E a beleza transcendental da Liturgia permeia os corações dos homens e nos forma para termos relacionamentos adequados, não apenas com Deus, mas também com nosso vizinho e nos ajuda a transformar a cultura humana. Este é o significado genuíno de “inculturação”. Se nós católicos queremos que a beleza inerente da liturgia transforme a “cultura da morte”, nós devemos permitir que a Sagrada Liturgia nos molde pelo seu espírito, que é o Espírito de Cristo, defendido pelo Vaticano II.
Isto significa que, humildemente, nos devemos renunciar a qualquer desejo de fazer a liturgia conforme as modas passageiras. Conseqüentemente, renunciemos às inovações não autorizadas, improvisações, banalidades e ao desorientado senso de criatividade.

Entrevista com o Pe. Gabriel Amorth exorcista do Vaticano


1. Padre Amorth, está pronta finalmente a tradução italiana do novo Ritual para os exorcistas...
GABRIELE AMORTH: Sim, está pronta. No ano passado a Conferência Episcopal não quis aprová-la porque havia erros de tradução do latim. E nós, os exorcistas, que deveríamos utilizá-la, aproveitamos para indicar uma vez mais que discordávamos sobre muitos pontos do novo Ritual. O texto base em latim continua sem mudanças nesta tradução. E um Ritual tão esperado no fim transformou-se numa burla. Um incrível empecilho que ameaça impedir agirmos contra o demônio.
2. Uma acusação pesada. O Sr. se refere a quê?
GABRIELE AMORTH: Faço-lhe dois exemplos somente. Clamorosos. No ponto 15 fala-se dos malefícios e de como comportar-se nesse caso. O malefício é um mal causado a uma pessoa recorrendo ao diabo. Pode ser feito em diversas formas, como feitiços, maldições, maus-olhados, vodu, macumba. O Ritual Romano explicava como enfrentá-lo. O novo Ritual, ao contrário, afirma categoricamente que há uma proibição absoluta de fazer exorcismos nesses casos. Absurdo. Os malefícios são de longe a causa mais freqüente de possessões e males causados pelo demônio: não menos de 90 por cento. É como dizer aos exorcistas que não ajam mais. O ponto 16 então afirma que não se devem fazer exorcismos se não existe a certeza da presença diabólica. Esta é uma obra-prima de incompetência, pois se tem a certeza da presença do demônio numa pessoa só fazendo o exorcismo. Ademais, os responsáveis não perceberam que contradiziam nos dois pontos o Catecismo da Igreja Católica, que indica o exorcismo seja no caso de possessões diabólicas seja no caso de males causados pelo demônio. E diz também para ser feito tanto com pessoas quanto com coisas. E nas coisas não existe nunca a presença do demônio, existe só a sua influência.
As afirmações contidas no novo Ritual são gravíssimas e muito danosas, fruto de ignorância e inexperiência.
3. Mas não foi elaborado por especialistas?
GABRIELE AMORTH: De forma alguma. Nestes dez anos trabalharam com o Ritual duas comissões: uma composta por cardeais, que cuidou dos "prenotanda", ou seja, das disposições iniciais; e outra, que cuidou das orações. Posso afirmar com certeza que nenhum dos membros das duas comissões fez exorcismos nem assistiu a exorcismos nem teve a menor idéia do que são os exorcismos.
Este é o erro, o pecado original, desse Ritual. Nenhum dos que colaboraram era especialista em exorcismos.
4. Como é possível?
GABRIELE AMORTH: Não me pergunte. Durante o Concílio Vaticano II cada comissão era coadjuvada por um grupo de especialistas que apoiava os bispos. E o costume manteve-se também depois do Concílio, cada vez que se refizeram partes do Ritual Romano. Mas não neste caso. E se havia um tema no qual eram necessários especialistas, era este.
5. E em vez disso?
GABRIELE AMORTH: Em vez disso, nós, os exorcistas, nunca fomos consultados. Além do mais, as sugestões que demos foram recebidas com mal-estar pelas comissões.
A história é paradoxal. Quer que eu lhe conte?
Claro.
GABRIELE AMORTH: À medida que, como tinha pedido o Concílio Vaticano II, as várias partes do Ritual Romano eram revisadas, os exorcistas aguardavam que viesse tratado também o título XII, isto é, o Ritual dos Exorcismos. Mas evidentemente não era considerado um tema relevante, dado que passavam-se os anos e não acontecia nada. Depois, de repente, dia 4 de junho de 1990, saiu o Ritual "ad interim", experimental. Foi uma verdadeira surpresa para nós, que nunca tínhamos sido consultados. Todavia, já fazia tempo que tínhamos preparado alguns pedidos com relação a uma revisão do Ritual; pedíamos, entre outras coisas, o retoque das orações, colocando invocações a Nossa Senhora que faltavam completamente, e o aumento de orações específicas, mas fomos completamente afastados da possibilidade de dar qualquer contribuição.
Mas não desanimamos porque o texto tinha sido feito para o nosso uso.
Dado que na carta de apresentação o então prefeito da Congregação para o Culto Divino, o cardeal Eduardo Martínez Somalo, pedia às conferências episcopais que enviassem num prazo de dois anos "conselhos e sugestões dadas pelos sacerdotes que o terão usado", pusemo-nos a trabalhar.
Reuni 18 exorcistas, escolhidos entre os mais experientes do planeta.
Examinamos com grande atenção o texto. Nós o usamos. Elogiamos logo a primeira parte, na qual eram resumidos os fundamentos evangélicos do exorcismo, o aspecto bíblico-teológico, no qual naturalmente não faltava competência, uma parte nova com relação ao Ritual de 1614, composto por Paulo V. Ademais, naquela época não havia necessidade de lembrar esses princípios, por todos reconhecidos e aceitos. Hoje, porém, é indispensável.
Mas quando passamos a examinar a parte prática, que requer um conhecimento específico do tema, manifestou-se a total inexperiência dos redatores.
As nossas observações foram copiosas, artigo por artigo, e fizemo-las chegar a todas as partes interessadas: Congregação para o Culto Divino, Congregação para a Doutrina da Fé, conferências episcopais. Uma cópia foi entregue diretamente ao Papa em mãos.
6. Como foram acolhidas as suas observações?
GABRIELE AMORTH: Acolhida péssima, eficácia nula. Tínhamo-nos inspirado na "Lumen gentium", na qual a Igreja é descrita como "Povo de Deus". No número 28 fala-se da colaboração dos sacerdotes com os bispos, no número 37 diz-se com clareza, inclusive com relação aos leigos, que "segundo a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm a faculdade, aliás às vezes também o dever, de manifestar o seu parecer sobre coisas que concernem ao bem da Igreja". Era exatamente o nosso caso. Mas nós imaginávamos, ingenuamente, que as disposições do Vaticano II tivessem chegado às congregações romanas. Ao contrário, encontramos de frente um muro de rechaço e desprezo. O secretário da Congregação para o Culto Divino fez um relatório à comissão cardinalícia na qual dizia que os seus únicos interlocutores eram os bispos, e não os sacerdotes ou os exorcistas. E acrescentava textualmente, a propósito da nossa humilde tentativa de ajuda como peritos que exprimem o seu parecer: "Vemos o fenômeno dum grupo de exorcistas e supostos demonólogos, esses que logo se constituíram numa Associação Internacional, que orquestrava uma campanha contra o rito". Uma acusação indecente: nós jamais orquestramos campanha alguma! O Ritual era dirigido a nós, e nas comissões não tinham convocado nenhuma pessoa competente, era mais do que lógico que tentássemos dar a nossa contribuição.
7. Mas então quer dizer que o novo Ritual é para os senhores imprestável na luta contra o demônio?
GABRIELE AMORTH: Sim. Queriam entregar-nos uma arma com defeito. Foram canceladas as orações eficazes, orações que tinham doze séculos de história, e foram criadas outras, ineficazes. Mas felizmente no último momento tivemos um salva-vidas.
8. Qual?
GABRIELE AMORTH: O novo prefeito da Congregação para o Culto Divino, o cardeal Jorge Medina, anexou ao Ritual uma notificação, na qual afirma que os exorcistas não estão obrigados a usar este Ritual, mas se querem podem usar o antigo com permissão do bispo. Os bispos devem pedir autorização à Congregação, que no entanto, como escreve o cardeal, "a concede de boa vontade".
9. "Concede-a de boa vontade"? É uma concessão bem estranha...
GABRIELE AMORTH: Quer saber de onde vem? Duma tentativa feita pelo cardeal Joseph Ratzinger, prefeito da Congregação para a doutrina da Fé, e pelo próprio cardeal Medina para introduzir no Ritual um artigo - então era o artigo 38 no qual se autorizavam os exorcistas a usar o Ritual precedente. Sem dúvida tratava-se duma manobra extrema para evitarmos os grandes erros que há nesse Ritual definitivo. Mas a tentativa dos dois cardeais foi reprovada.
Então o cardeal Medina, que tinha compreendido o que estava em jogo, decidiu dar-nos de qualquer forma este salva-vidas, acrescentando uma notificação em separado.
10. Como são considerados os exorcistas dentro da Igreja?
GABRIELE AMORTH: Somos muito mal tratados. Os irmãos sacerdotes que são encarregados dessa delicadíssima tarefa são vistos como doidos, fanáticos. Em geral quase não são tolerados nem pelos bispos que os nomeiam.
11. Qual o fato mais clamoroso dessa hostilidade?
GABRIELE AMORTH: Tivemos um convênio internacional de exorcistas perto de Roma.
Pedimos para ser recebidos pelo Papa. Para não dar a ele o peso de somar outra audiência às tantas que já dá, pedimos simplesmente para ser recebidos na audiência pública das quartas-feiras na Praça de São Pedro.
Inclusive sem que fosse preciso mencionar-nos nas saudações. Fizemos o devido pedido, como lembrará perfeitamente Mons. Paolo De Nicolò, da Prefeitura da Casa Pontifícia, que acolheu de braços abertos o nosso pedido. Um dia antes da audiência porém o próprio Mons. De Nicolò disse-nos - na verdade com grande constrangimento, pelo que se viu muito bem que a decisão não dependia dele - que não viéssemos, não éramos admitidos. Incrível: 150 exorcistas provenientes dos cinco continentes, sacerdotes nomeados pelos seus bispos segundo as normas do direito canônico, que requerem padres de oração, ciência e boa fama - portanto mais ou menos a fina-flor do clero -, pedem para participar duma audiência pública do Papa e são enxotados. Mons.
De Nicolò disse-me: "Naturalmente prometo que lhe enviarei logo uma carta com os motivos". Passaram-se cinco anos, e ainda estou a esperar essa carta.
Certamente não foi João Paulo II a excluir-nos. Mas que seja proibido a 150 sacerdotes participar duma audiência pública do Papa na Praça de São Pedro explica o quanto são dificultados os exorcistas pela sua Igreja, quanto são mal vistos por tantas autoridades eclesiásticas.
12. O Sr. combate o demônio COTidianamente. Qual é o maior sucesso de Satanás?
GABRIELE AMORTH: Conseguir que não creiam na sua existência.
Quase conseguiu.
Também dentro da Igreja. Temos um clero e um episcopado que já não crêem no demônio, nos exorcismos, nos males extraordinários que o diabo pode fazer, e tampouco no poder que Jesus concedeu de expulsar os demônios.
Há três séculos que a Igreja latina - ao contrario dos orientais e de várias confissões protestantes - abandonou quase completamente o ministério dos exorcismos. Sem praticá-los, estudá-los nem vê-los, o clero já não crê.
Já não crê tampouco no diabo. Temos inteiros episcopados contrários aos exorcismos. Há nações completamente carentes de exorcistas, como a Alemanha, a Áustria, a Suíça, a Espanha e Portugal. Uma carência assustadora.
13. Não citou a França. Lá a situação é diferente?
GABRIELE AMORTH: Há um livro escrito pelo mais conhecido exorcista francês, Isidoro Froc, intitulado: "Os exorcistas, quem são e que fazem". O volume, traduzido em italiano pela editora Piemme, foi escrito por encargo da Conferência Episcopal Francesa. Em todo o livro jamais se diz que os exorcistas, em certos casos, fazem exorcismos. E o autor declarou várias vezes à televisão francesa que nunca fez exorcismos e que nunca os fará.
Entre cem exorcistas franceses só cinco crê no demônio e fazem exorcismos.
Todos os outros mandam quem se dirige a eles ao psiquiatra.
Os bispos são as primeiras vítimas dessa situação da Igreja Católica, da qual está desaparecendo a crença na existência do demônio. Antes de sair esse novo Ritual, o episcopado alemão escreveu uma carta ao cardeal Ratzinger em que afirmava que não era necessário um novo Ritual, porque já não se devem fazer exorcismos.
14. É dever dos bispos nomear exorcistas?
GABRIELE AMORTH: Sim. Quando um sacerdote é eleito bispo, encontra-se ante um artigo do Código de Direito Canônico que lhe dá autoridade absoluta para nomear exorcistas. A um bispo o mínimo que se pode pedir é que tenha assistido pelo menos a um exorcismo, dado que deve tomar uma decisão tão importante.
Infelizmente, não acontece quase nunca. Mas se um bispo se encontra ante uma solicitação séria de exorcismo - ou seja, feita não por um maluco - e não toma providências, comete pecado mortal. E é responsável por todos os terríveis sofrimentos daquela pessoa, que às vezes duram anos ou uma vida, e que teria podido impedir.
15. Está dizendo que a maior parte dos bispos da Igreja católica está em pecado mortal?
GABRIELE AMORTH: Quando eu era pequeno o meu velho pároco ensinava-me que os sacramentos são oito: o oitavo é a ignorância. E o oitavo sacramento salva mais que os outros sete juntos. Para cometer pecado mortal é preciso uma matéria grave mas também o pleno conhecimento e o deliberado consentimento.
Essa omissão de ajuda por parte de muitos bispos é matéria grave. Mas esses bispos são ignorantes: não há portanto deliberado consentimento e pleno conhecimento.
16. Mas a fé permanece intacta, isto é, permanece uma fé católica, se alguém não crê na existência de Satanás?
GABRIELE AMORTH: Não. Conto-lhe um episódio. Quando encontrei pela primeira vez o Pe.
Pellegrino Ernetti, um célebre exorcista que exerceu o ministério por quarenta anos em Veneza, disse-lhe: "Se eu pudesse falar com o Papa eu lhe diria que encontro demasiados bispos que não crêem no demônio". Na tarde seguinte o Pe. Ernetti veio até mim para me dizer que de manhã tinha sido recebido por João Paulo II. "Santidade", dissera-lhe, "há um exorcista cá em Roma, Pe. Amorth, que se o visse lhe diria que conhece demasiados bispos que não crêem no demônio". O Papa respondeu-lhe, taxativo: "Quem não crê no demônio não crê no Evangelho". Eis a resposta que ele deu e que eu repito.
17. Ou seja: a conseqüência é que muitos bispos e muitos padres não seriam católicos?
GABRIELE AMORTH: Digamos que não crêem numa verdade evangélica.
Portanto, sendo o caso, eu os acusaria de propagar uma heresia. Mas fique claro que alguém é formalmente herege se é acusado de alguma coisa e permanece no erro.
Hoje ninguém, pela situação que há na Igreja, acusa um bispo por não crer no diabo, nas possessões demoníacas e por não nomear exorcistas porque não crê.
Contudo, eu poderia dizer-lhe muitíssimos nomes de bispos e cardeais que logo que foram nomeados para uma diocese tiraram a todos os exorcistas tal faculdade. Ou bispos que sustentam abertamente: "Eu não creio nisso.
São coisas do passado". Por quê? Infelizmente porque houve a influência perniciosíssima de certos biblistas, e poderia citar-lhe muitos nomes ilustres. Nós que tocamos todos os dias o mundo sobrenatural sabemos que meteu a colher em tantas reformas litúrgicas.
18. Por exemplo?
GABRIELE AMORTH: O Concílio Vaticano II tinha comandado a revisão de alguns textos.
Desobedecendo a essa ordem, o que se quis foi refazê-los completamente.
Sem pensar que se podiam piorar as coisas em vez de melhorá-las. E tantos ritos foram piorados por essa mania de querer jogar fora tudo o que havia no passado e refazer tudo desde o começo, como se a Igreja tivesse até hoje sempre tapeado e enganado, e só agora tivesse chegado o tempo dos grandes gênios, dos superteólogos, dos superbiblistas, dos superliturgistas, que sabem dar à Igreja as coisas certas. Uma mentira. O último Concílio tinha simplesmente pedido a revisão desses textos, não a sua destruição.
O Ritual dos exorcismos, por exemplo: era para ser corrigido, não refeito.
Havia orações que têm doze séculos de experiência.
Antes de eliminar orações tão antigas e que por séculos demonstraram a sua eficácia, seria preciso pensar longamente. Mas não. Nós, os exorcistas, experimentando o Ritual "ad interim", vimos que são absolutamente ineficazes.
Também o Ritual do Batismo das crianças foi piorado.
Foi desvirtuado até quase eliminar o exorcismo contra Satanás, que sempre teve enorme importância para a Igreja, tanto que era chamado "exorcismo menor".
Contra esse novo rito protestou publicamente também Paulo VI.
Foi piorado o novo Ritual de Bênçãos. Li minuciosamente todas as suas 1200 páginas. Pois bem, foi cuidadosamente tirada toda referência ao fato de que o Senhor nos protege de Satanás, que os anjos nos protegem do assalto do demônio.
Tiraram todas as orações que havia na bênção das casas e das escolas. Tudo tinha de ser benzido e protegido, mas hoje a proteção contra o demônio já não existe, já não existem defesas e tampouco orações contra ele.
O próprio Jesus tinha-nos ensinado uma oração de libertação no pai-nosso: "Livrai-nos do Maligno. Livrai-nos da pessoa de Satanás". Em vernáculo foi traduzida de forma errônea, e agora se reza dizendo: "Livrai-nos do mal". Fala-se dum mal genérico, do qual no fundo não se sabe a origem. Ao contrário, o mal contra o qual Nosso Senhor Jesus Cristo tinha-nos ensinado a combater é uma pessoa concreta: é Satanás.
19. O Sr. tem um observatório privilegiado: tem a sensação de que o satanismo esteja difundindo-se?
GABRIELE AMORTH: Sim. Muitíssimo. Quando diminui a fé aumenta a superstição. Se uso a linguagem bíblica, digo que se abandona a Deus e se abraça a idolatria; se uso uma linguagem moderna, digo que se abandona a Deus para abraçar o ocultismo. A diminuição assustadora da fé em toda a Europa católica faz com que o povo se entregue às mãos de magos e cartomantes, enquanto as seitas satânicas prosperam. O culto do demônio é anunciado a massas inteiras através do rock satânico de personagens como Marilyn Manson, e atacam-se também as crianças quando jornais e quadrinhos ensinam a magia e o satanismo.
São muito difundidas as sessões espíritas, nas quais se evocam os mortos para ter respostas. Agora aprende-se a fazer sessões espíritas com o computador, com o telefone, com a televisão, com o gravador, mas sobretudo com a escritura automática. Já não há necessidade do medium: é um espiritismo "self service". Segundo as pesquisas, 37 por cento dos estudantes fez pelo menos uma vez o jogo do cartaz ou do copo, que é uma verdadeira sessão espírita. Numa escola em que me convidaram a falar, os jovens disseram que o faziam durante a aula de religião sob olhos complacentes do professor.
20. E funcionam?
GABRIELE AMORTH: Não existe diferença entre magia branca e magia negra. Quando a magia funciona, é sempre obra do demônio. Todas as formas de ocultismo, como esta grande atração pelas religiões do Oriente, com as suas tendências esotéricas, são portas abertas para o demônio. E o diabo entra. Rápido.
Eu não hesitei a dizer imediatamente, no caso da freira assassinada em Chiavenna e no caso dos dois jovens de Novi Ligure [trata-se de delitos que chocaram a Itália recentemente, n.d.tr.], que houve uma intervenção direta do demônio porque esses jovens se dedicavam ao satanismo. Prosseguindo a investigação a polícia descobriu, em ambos os casos, que esses jovens seguiam Satanás, tinham livros satânicos.
21. O que aproveita o demônio para seduzir o homem?
GABRIELE AMORTH: Ele tem uma estratégia monótona. Disse isso a ele, e ele o reconhece... Leva a crer que o inferno não existe, que o pecado não existe sendo só uma experiência mais a fazer. Concupiscência, sucesso e poder são as três grandes paixões nas quais Satanás insiste.
22. Quantos casos de possessão demoníaca encontrou?
GABRIELE AMORTH: Depois dos primeiros cem casos desisti de contar.
23. Cem? Mas são muitíssimos. O Sr. diz nos seus livros que os casos de possessão são raros.
GABRIELE AMORTH: E de fato são. Muitos exorcistas têm encontrado somente casos de males diabólicos. Mas eu herdei a "clientela" dum exorcista famoso como o Pe. Candido, e portanto os casos que ele não tinha resolvido ainda.
Ademais, os outros exorcistas mandam para mim os casos mais resistentes.
24. Qual o caso mais difícil que encontrou?
GABRIELE AMORTH: Estou tratando dele agora, e já faz dois anos.
É a mesma jovem que foi abençoada - não foi um exorcismo propriamente - pelo Papa em outubro no Vaticano e que causou sensação nos jornais. É atingida 24 horas por dia, com tormentos indescritíveis. Os médicos e os psiquiatras não conseguiam entender nada. É plenamente lúcida e inteligentíssima.
Um caso realmente doloroso.
25. Como a pessoa se torna vítima do demônio?
GABRIELE AMORTH: Pode-se cair nos males extraordinários enviados pelo demônio por quatro motivos. Ou porque isso consiste num bem para a pessoa (é o caso de muitos santos), ou pela persistência no pecado de modo irreversível, ou por um malefício que alguém faz por meio do demônio, ou por práticas de ocultismo.
26. Durante o exorcismo de possessos, que tipo de fenômenos se manifestam?
GABRIELE AMORTH: Lembro-me dum camponês analfabeto que durante o exorcismo me falava só em inglês, e eu precisava dum intérprete. Há quem mostra uma força sobre-humana, quem se eleva completamente da terra e várias pessoas não conseguem mantê-lo sentado. Ma é só pelo contexto em que se desenvolvem que falamos de presença demoníaca.
27. Ao Sr. o demônio nunca fez nada de mal?
GABRIELE AMORTH: Quando o cardeal Poletti me pediu para ser exorcista encomendei-me a Nossa Senhora. "Envolvei-me no vosso manto e estarei seguríssimo". O demônio fez-me tantas ameaças, mas nunca me causou dano algum.
28. O Sr. não tem medo do demônio?
GABRIELE AMORTH -. Eu, medo daquele estúpido? É ele que deve ter medo de mim: eu ajo em nome do Senhor do mundo. E ele é só o macaco de Deus.
29. Padre Amorth, o satanismo difunde-se cada vez mais. O novo Ritual torna difícil fazer exorcismos. Impede-se aos exorcistas a participação numa audiência papal na Praça de S. Pedro. Diga-me sinceramente: o que está acontecendo?
GABRIELE AMORTH: A fumaça de Satanás entra em todas as partes.
Em todas as partes!
Talvez tenhamos sido excluídos da audiência do Papa porque tinham medo de que tantos exorcistas conseguissem expulsar as legiões de demônios que se estabeleceram no Vaticano.
30. Está brincando, não?
GABRIELE AMORTH: Pode parecer um modo de dizer, mas creio que não seja. Não tenho dúvida alguma de que o demônio tenta sobretudo os postos altos da Igreja, como tenta os postos altos da política e da indústria.
31. Está dizendo que também aqui, como todas as guerras, Satanás quer conquistar os generais adversários?
GABRIELE AMORTH: É uma estratégia vencedora. Sempre se tenta efetuá-la.
Sobretudo quando as defesas do adversário são fracas. E também Satanás tenta. Mas ainda bem que existe o Espírito Santo que sustém a Igreja: "As portas do inferno não prevalecerão". Apesar dos abandonos.
Apesar das traições, que não devem surpreender. O primeiro traidor foi um dos apóstolos mais próximos a Jesus, Judas Iscariotes. Mas apesar disso a Igreja continua no seu caminho. Mantém-se em pé pelo Espírito Santo, portanto toda a luta de Satanás pode ter somente sucesso parcial. Claro, o demônio pode vencer algumas batalhas. Inclusive importantes. Mas jamais a guerra.
 

Sample text

Sample Text